Maciço do Baturité ganhará Centro Internacional do Café de Sombra até 2021

O termo de cooperação para formulação do projeto foi assinado nesta semana e viabiliza o início dos trabalhos

Legenda: Segundo o IBGE, 40 municípios cearenses desenvolvem este tipo de produção.
Foto: Arquivo Pessoal

Um conjunto de instituições parceiras assinaram, nesta semana, o termo de cooperação para desenvolvimento conjunto de projetos com enfoque na produção, processamento, pesquisa e comercialização do café de sombra agroecológico, presente em 40 municípios do Maciço do Baturité. Historicamente, o café sombreado, rico em nutrientes, é cultivado na Serra, protegido dos raios solares, e contribui para a preservação ambiental na região.

O convênio para criação do Centro foi assinado por representantes da Prefeitura de Mulungu, do Instituto Federal do Ceará (IFCE) e de outras entidades educacionais. Além do espaço, o projeto visa realizar a instalação de uma torrefadora e criar o Memorial do Café, buscando fortalecer a gastronomia local. Com o processo de assinatura, será criado o projeto arquitetônico do espaço, que deve começar a funcionar até o primeiro semestre do próximo ano

“A proposta visa promover a troca de conteúdos científicos, desenvolver programas de cooperação e valorizar a produção tendo”, ressalta Lourival Soares, Diretor-Geral do campus do IFCE Baturité. O Centro Internacional busca, ainda, a possibilidade de gerar novos negócios a partir da cadeia produtiva. “Com a criação nós teremos a reativação da fábrica de Mulungu e, com isso, os agricultores e produtores vão poder beneficiar o café na própria região”.

Entidades conveniadas:

  • Prefeitura de Mulungu;
  • Fundação Cultural Educacional Popular em Defesa do Meio Ambiente (Cepema);
  • Instituto Federal do Ceará (IFCE), Campus de Baturité;
  • Observatório Cearense da Cultura Alimentar (OCCA), da Uece.

O diretor aponta que a iniciativa terá, ainda, a disponibilidade de um centro pesquisador de café, podendo receber referências mundiais na área. “Temos a oportunidade de trazer estudiosos do café do mundo inteiro, novos conhecimentos, novas tecnologias para agregar. Será um ganho significativa na produção de novos processos produtivos, agregando mais valor ao café diferenciado que temos aqui”, destaca Soares.

“Vamos, agora, iniciar a elaboração do projeto arquitetônico. Esperamos que, até o primeiro semestre de 2021, possamos ter o Centro Internacional em Mulungu”. 

Acesse o material que mostra a Rota Verde do Café no Ceará.

Impactos

Legalmente, o manejo do produto pode ser feito em Área de Proteção Ambiental (APA) de uso sustentável, onde não é permitida a queima e desmatamento. Hoje, 40 municípios cearenses praticam esta modalidade de cultivo, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o que viabiliza o Centro no Ceará. A produção deve mirar inicialmente o mercado interno de café orgânico e, em seguida, ao mercado exterior.

O produto deve receber certificação no Sistema Participativo de Garantia, da Rede EcoCeará de Agroecologia. 

Processo histórico 

O consultor Adalberto Alencar explica que a experiência da exportação do café florestal de sombra teve início ainda na década de 1990. O produto chegou a ser considerado um dos melhores do mundo. Somente nos últimos anos, porém, a produção começou a ser retomada, por meio de contato do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com a criação da rota turística do café. 

Em 2019, também houve a realização do Ceará Organic Food Festival, uma nova articulação de trabalho envolvendo as instituições tanto do governo, como acadêmicas, empresariais e dos próprios produtores da região. O objetivo da iniciativa é retomar a fábrica torrefadora, já implementada no Município, assim como legalizar seu funcionamento e criar investimentos em laboratório de análises.

 
 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará