Financiamento popular de R$ 3 milhões garante expansão da produção de mel em Mombaça

Segundo o MST, cerca de 1.800 famílias conseguirão um aumento médio de 40% na renda com o investimento.

Legenda: Atualmente, o Finapop é voltado exclusivamente a projetos em áreas de assentamentos do MST.
Foto: Divulgação/Cooperamel

Cooperativa Regional dos Trabalhadores Apícolas Assentados e Assentadas da Reforma Agrária (Cooperamel), com entreposto em Mombaça, receberá um crédito de R$ 3 milhões para desenvolver a produção de mel no Ceará. O recurso vem do Finapop, financiamento popular criado a partir de uma parceria do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e investidores. Com o incentivo, a Cooperamel pretende ampliar o número de colmeias e a produção de mel, de uma tonelada por dia para seis.

Além de Mombaça, a cooperativa atua em Pedra Branca, Tamboril, Monsenhor Tabosa e Quixeramobim. "Provavelmente, vamos ampliar ainda mais", ressalta Sheila Rodrigues, coordenadora da cadeia produtiva do Mel no Nordeste e da Frente da Comercialização do MST no Ceará. Estima-se, com isso, que cerca de 1.800 famílias conseguirão um aumento médio de 40% na renda. Com o ivestimento, a intenção é levar o mel 'Terra Conquistada' para o mercado externo.

"Um finaciamento como este para uma cooperativa de trabalhadores é muito importante num momento de pandemia e de crise social, ambiental e econômica. Não são tempos fáceis para ter acesso a credito. Temos dificuldade até de acessar a linha do Pronaf [Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar], que nos últimos anos tem sofrido cortes devido a conjuntura que vivemos", avalia Rodrigues.

A representante também aponta que, "em bancos comuns, é muito difícil para os agricultores ter financiamento em condições justas". Apesar disso, analisa que o compromisso da produção familiar aumenta. "Temos que aumentar nossa organização e dar retorno para os investidores, a sociedade e os próprios cooperados".

Hoje, o Finapop arrecada recursos de pelo menos 1.750 pequenos e médios investidores interessados. A partir disso, destina a verba à atividades das cooperativas envolvidas. A primeira ação aconteceu em maio deste ano, com o financiamento para uma cooperativa de produção agropecuária do Rio Grande do Sul. Nesta semana, o financiamento foi direcionado a produtores de mel do Ceará e de cacau, na Bahia - no valor de R$ 1.979.000. As ações pretendem ajudar os pequenos produtores em meio à crise socioeconômica do País. 

Mel no Ceará
Legenda: Com as melhorias, a cooperativa espera produzir seis toneladas de mel por dia.
Foto: Divulgação/SDA

Taxa de Juros

O recurso foi anunciado durante transmissão ao vivo, nesta semana, por meio de uma plataforma digital, pelo ex-banqueiro e criador das empresas Brasil Plural e Genial Investimentos, Eduardo Moreira. Agora, a direção do MST no Ceará avalia se o montante será integralmente disponibilizado à Cooperamel ou redistribuído à outras entidades produtivas no Estado. O diferencial do financiamento é a taxa reduzida de juros, 5,5% menores que as aplicadas por bancos públicos e privados no País.

"Nós temos capacidade de produzir, mas sem investimento ou credito os trabalhadores são obrigados a entregar a produção para atravessadores no preço. Ou seja, a maior parte da venda do produto fica com quem processa, embala e comercializa. Por isso, o Finapop e a cooperativa são importantes para este processo", ressalta Rodrigues.

A representante destaca, ainda, que ter o "capital de giro" possibilita à cooperativa ter recursos para "comprar do produtor com preço justo, processar, comercializar" e, ainda, destinar o excedente da cooperativa aos próprios cooperados: "Essa é uma forma justa de fazer a economia girar nas nossas regiões. Outra coisa, se a cooperativa vende direto ao consumidor com sua marca, também dá visibilidade à sua produção", pontua.

Produção de Mel no Ceará
Legenda: O financiamento pretende ajudar os pequenos produtores em meio à crise socioeconômica do País.
Foto: Divulgação/Cooperamel

Investimentos

Além da ampliação física, capital de giro e aquisição de equipamentos de envase, a Cooperamel planeja a aplicação de cursos técnicos em agroecologia para jovens da escola do campo Paulo Freire. Sheila Rodrigues avalia que, apesar de sete anos de seca, a Cooperamel segue preservando o meio ambiente. Segundo ela, na última segunda-feira (29), a cooperativa chegou a recolher uma tonelada de mel. A representante também aponta que o investimento servirá para estruturar um laboratório de controle da qualidade do mel.

"Sobre a retirada do financiamento, vamos nos reunir e ajustar. Acredito que assim que o projeto estiver pronto, teremos como acessar. Mas é um financiamento, então, temos que planejar bem porque depois de um ano já tem que ter retorno para os investidores. Esperamos acessá-lo antes da próxima safra, que acontece em setembro".

O MST atende, hoje, 64 unidades rurais no Ceará. Desde 2015, as famílias assentadas também passaram a ser acompanhadas com assistência técnica pelo Projeto São José III, da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) do Estado. O projeto também realiza melhorias nas infraestruturas dos apiários, das casas de mel e na aquisição de equipamentos. "Já temos, em andamento, um projeto pelo São José III. A ideia é aumentar a capacidade de processamento por dia. Passaria de uma tonelada para seis toneladas de processamento diário", finaliza Rodrigues.

Foto Produção de Mel
Legenda: O diferencial do financiamento é a taxa reduzida de juros, 5,5% menores que as aplicadas por bancos públicos e privados no País.
Foto: Divulgação/Cooperamel