Caminhada em homenagem a mortos de campo de concentração no Ceará entra em roteiro turístico oficial

A Caminhada da Seca de Senador Pompeu ocorre há 38 anos, sempre no segundo domingo de novembro

Cemitério da Barragem  no campo de concentração de Senador Pompeu
Legenda: Os mortos no campo de concentração eram enterrados, inicialmente, em valas. Depois foi construído o Cemitério da Barragem
Foto: Camila Lima

A Caminhada da Seca de Senador Pompeu, evento que ocorre a cada ano no segundo domingo de novembro, agora integra, por força de lei, o roteiro turístico do Ceará. Já são 38 anos de peregrinação para lembrar a morte de mais de 1.600 pessoas no campo de concentração da cidade, cujos corpos estão enterrados em vala comum, no entorno do açude Patu.

Os campos de concentração espalhados pelo Ceará na primeira metade do século XX tinham o objetivo de isolar dos demais os sertanejos que tentavam sobreviver à seca do sertão fugindo para a Capital em busca de comida, assistência de saúde e ocupação.

Os corpos dos falecidos eram enterrados, inicialmente, em valas. Depois foi construído o Cemitério da Barragem, local onde são cumpridas promessas e é o ponto final da Caminhada, após concentração na cidade, pela manhã cedo.

Campo de concentração em Senador Pompeu
Legenda: Os campos de concentração espalhados pelo Ceará na primeira metade do século XX tinham o objetivo de isolar dos demais os sertanejos que tentavam sobreviver à seca do sertão
Foto: Camila Lima

A lei, de autoria do deputado Acrísio Sena foi sancionada pelo governador Camilo Santana e publicado no Diário Oficial do Estado na quinta-feira (30).

“Além do tombamento estadual dos casarões que formam o campo de concentração do Patu, com restauro desses imóveis, lutamos pela criação de uma Unidade de Conservação Ambiental no local”, disse Acrísio Sena.

A inclusão da Caminhada da Seca no roteiro turístico do Estado tem por finalidade estimular o turismo na região com a geração de emprego e renda e incentivar o desenvolvimento local"
Artigo 2ª da Lei nº 17.698/21

Campos de concentração no Ceará

No Ceará, registros históricos apontam a existência de campos de concentração em junho de 1932 em Cariús, Crato (Buriti), Senador Pompeu, Quixeramobim, Ipu e Fortaleza.

A lei aprovada pelos parlamentares estaduais foi sancionada pelo governador Camilo Santana no último dia 28 de setembro.

“Já são quase 40 anos de caminhada em um verdadeiro memorial desse momento de tragédia na história das secas que assolaram o Ceará”, observou o padre João Melo Reis, que já exerceu a função de pároco em Senador Pompeu.

A gente vê a emoção das pessoas que participam e lutam para manter essa memória viva, esse resgate histórico”
João Melo Reis
Padre

Campo de concentração em Senador Pompeu
Legenda: A Caminhada da Seca é um ato em memória dos mortos na seca de 1932
Foto: Camila Lima

Em memória dos mortos na seca de 1932

A caminhada em memória dos mortos no flagelo da seca de 1932, em Senador Pompeu, é considerada o maior ato religioso social em memória dos mortos no Ceará em decorrência da intensa estiagem que castigou as famílias dos sertanejos naquele ano.

No segundo domingo de novembro, a cada ano, quando o dia começa a clarear, o sol surge no horizonte com uma multidão concentrada em frente a igreja matriz de Nossa Senhora das Dores, no Centro de Senador Pompeu. É quando começa o caminhar em direção ao cemitério ao lado do Açude Patu.

É um percurso de 6 km feito sob cânticos e orações. O evento anual inclui celebração de missa.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará