Bispo da diocese de Iguatu renuncia por problemas de saúde; Papa aceita pedido

No fim da tarde de hoje, haverá uma entrevista coletiva para esclarecimentos sobre a saúde do bispo

Legenda: O colégio de consultores que reúne sete padres da diocese de Iguatu terá o prazo de oito dias para eleger um sacerdote que vai ocupar a função
Foto: Divulgação

O papa Francisco aceitou na manhã desta quarta-feira (24) o pedido de renúncia do bispo da diocese de Iguatu, no Centro-Sul cearense, dom Édson de Castro Homem, 71, mediante a necessidade de tratamento de saúde. A decisão foi confirmada em anúncio feito pela Nunciatura Apostólica e seguiu regra do cânon nº 401 do direito canônico.

A nota oficial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) confirmando que o papa Francisco aceitou o pedido de renúncia do bispo de Iguatu foi assinada por dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da entidade.

A diocese de Iguatu anunciou para as 17 horas de hoje uma entrevista coletiva com o objetivo de esclarecer a decisão da renúncia. O fato causou surpresa entre a comunidade católica e os sacerdotes.

O colégio de consultores que reúne sete padres da diocese de Iguatu terá o prazo de oito dias para eleger um sacerdote que vai ocupar a função de administrador diocesano até que o papa faça a nomeação de um novo bispo.

Para o padre João Batista Moreira, pároco da Matriz de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Iguatu, o bispado de dom Édson de Castro Homem foi “marcado pelo diálogo, sabedoria e enfrentamento pelos grandes desafios que temos passado”. O sacerdote pontuou que dom Édson “deixou a marca de um pastor que acredita na igreja diocesana e sabia confiar e amar”.

O monsenhor Afonso Queiroga destacou o aspecto da criação de novas paróquias, ordenação de novos padres e ressaltou o legado de “um pastor amigo, acolhedor, compreensivo e de trabalho voltado para a formação de novos padres”.  

O professor universitário e colaborador da diocese, Ivo Ferreira, lembrou que nos últimos três meses o bispo dava indícios que iria renunciar, mas a decisão era inesperada.

“Foi uma surpresa, sem dúvida. Mas o bispo precisa de tempo para fazer tratamento de saúde que deve ocorrer no Rio de Janeiro, sua cidade de origem”.

Ivo Ferreira destaca ainda que a diocese de Iguatu “teve a oportunidade de conviver com um pastor inteligente, ávido, comprometido e que acredita e incentiva o protagonismo dos leigos e de seu clero”.

Trajetória eclesial

Dom Édson de Castro Homem fez estudos de Filosofia e Teologia na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro. Sua ordenação sacerdotal ocorreu em 18 de outubro de 1977, no Rio de Janeiro. Fez o doutorado em Teologia Espiritual, em 1981, na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma e também o doutorado em Filosofia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, concluído em 2004.

Ele foi professor de Teologia na PUC do Rio de Janeiro, no Instituto Superior de Teologia da arquidiocese, no Instituto de Filosofia e Teologia de São Bento; e professor de Filosofia no Instituto de Filosofia João Paulo II e na Universidade Católica de Petrópolis.

Em 16 de fevereiro de 2005, foi eleito bispo pelo Papa João Paulo II na Arquidiocese do Rio de Janeiro. No dia 6 de maio de 2015, o papa Francisco nomeou-o como bispo diocesano de Iguatu, transferindo-o da arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Em clima de festa, dom Édson foi empossado bispo da diocese de Iguatu em 27 de junho de 2015.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará