Parlamentares cobram redução no preço do combustível durante audiência na Câmara

O cearense Danilo Forte foi o autor do requerimento que convocou o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, para esclarecimentos

Deputado federal Danilo Forte fez cobranças ao presidente da Petrobras
Legenda: Deputado federal Danilo Forte fez cobranças ao presidente da Petrobras
Foto: Agência Câmara/Arquivo

O preço do combustível foi o principal motivo de cobrança de parlamentares ao presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, durante audiência na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (14). No debate, proposto pelo deputado federal cearense Danilo Forte (PSDB), os políticos também fizeram questionamentos sobre a situação da operação das termelétricas no País. 

"Essa crise energética, somada ao pós-pandemia e à crise econômica têm trazido dissabores angustiantes para a população mais carente do País. No Ceará, percebi a tristeza e as dificuldades de uma mãe de família ter que desembolsar cerca de R$ 130 para comprar um botijão de gás. Há municípios que cobram quase R$ 7 na gasolina, isso na região mais pobre do Brasil”, disse Danilo Forte. 

“Todos nós sabemos que a solução dos nossos problemas passa necessariamente pela Petrobras”, completou o tucano. “No momento que a Petrobras precisou de aporte financeiro, nós votamos para salvá-la, agora o povo brasileiro precisa da Petrobras”. 

Nas redes sociais, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), já falou nesta semana sobre o assunto. "Tudo caro: gasolina, diesel, gás de cozinha. O que a Petrobras tem a ver com isso? O plenário vira Comissão Geral para questionar o peso dos preços da empresa no bolso de todos nós. A Petrobras deve ser lembrada: os brasileiros são seus acionistas".

Preço na bomba

O aumento rápido no preço dos combustíveis virou motivo de impasse entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e os governadores brasileiros. O chefe do Executivo nacional cobra de forma recorrente que os gestores estaduais reduzam o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Assim como Forte, outros deputados dizem que não há como justificar a alta do preço dos combustíveis apenas pelo valor do ICMS. Os parlamentares apontam a responsabilidade da Petrobras e cobram uma mudança na política de preços da empresa. 

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, explicou que a empresa não repassa ao consumidor as oscilações pontuais no preço do petróleo. "O que é conjuntural, ela absorve e procura entender ao máximo possível essa lógica de mercado", afirmou. Desde 2016, os preços dos combustíveis acompanham a variação do valor do barril de petróleo no mercado internacional e do dólar.


Assuntos Relacionados