Quatro bairros concentram novos casos de Covid-19 em Fortaleza, diz SMS

"Eventos superespalhadores" estariam por trás do incremento na avaliação da Pasta. Ainda de acordo com a Secretaria Municipal, a faixa etária predominante dos casos recentes é de 20 a 39 anos de idade

Quatro bairros da Regional II de Fortaleza estão entre os concentradores das novas ocorrências de Covid-19 na Capital, de acordo com o último boletim epidemiológico sobre a doença na cidade, publicado pela Secretaria Municipal de Fortaleza (SMS) neste sábado (24). Segundo a Pasta, aglomerados de casos recentes foram identificados nos bairros Meireles, Aldeota, Mucuripe e Cocó

 

A faixa etária predominante dos novos pacientes é de 20 a 39 anos. Na avaliação da Pasta, o incremento de casos em jovens estaria associado aos chamados eventos “superdisseminadores” ou “superespalhadores”: aglomerações com uso limitado da máscara e onde pessoas ocupam espaços com pouca circulação de ar. É o caso de casamentos, festas privadas, shows musicais, eventos religiosos e cerimônias de posse, enumera o boletim. 

A situação já é relatada em outros países. A SMS garante ainda não ter encontrado qualquer relação entre a elevação e a abertura das escolas.

Mortes por Covid-19 em Fortaleza

Crescimento

Ainda segundo o levantamento publicado neste sábado, a média móvel atual (59,1 casos) é 38% maior do que o registrado há duas semanas atrás. Contudo, quando se considera todo o período de pandemia, a taxa móvel é, aproximadamente, 94% menor do que a mensurada no ápice, (952,4 casos). O pico de casos confirmados deste ciclo epidêmico ocorreu na transição entre os meses de abril e maio. Na ocasião, a média móvel sempre esteve acima de 600 casos.

Nos últimos sete dias, no entanto, a média móvel de óbitos apresentou um aumento de 86% em comparação à mensurada 14 dias atrás. Contudo, explica a SMS, "a fase em que o município se encontra, de baixa mortalidade, mínimas alterações no número de mortes alteram a média móvel desproporcionalmente".

O boletim anuncia que não foram registradas mortes nos dias 12 e 30 de agosto; 20, 24 e 28 de setembro; e 3, 8, 9, 11, 15, 16, 20 e 24 de outubro.  

Transmissão

A proporção de positividade em exames RT-PCR em residentes de Fortaleza, analisadas pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (LACEN-CE), alcançou 13,2% entre os dias 16 e 22 de outubro. Na avaliação da SMS, "isto indica maior circulação viral, que se refletiu no aumento da média móvel de casos". 

A transmissão em Fortaleza, contudo, pode ser considerada baixa, apesar da oscilação ascendente na última quinzena. A ampliação da testagem molecular (RT-PCR), agora direcionada para grupos específicos e sintomáticos, e a realização de inquéritos soroepidemiológicos seriam essenciais para o monitoramento oportuno de micro-surtos na Capital. 

Sesa rebate afirmação de '2ª onda'

Também neste sábado(24), a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) informou em comunicado que ainda não é possível afirmar a possibilidade de uma segunda onda da Covid-19 no Ceará. A informação bate de frente com a análise feita pelo Comitê Científico do Consórcio Nordeste, divulgada nesta sexta-feira (23). A pasta estadual declarou que vem acompanhando diariamente a evolução dos casos de Covid-19 no Ceará e observa uma flutuação geográfica das estatísticas. 

"Há pequenos surtos localizados, seguidos por uma queda nos registros, a exemplo do que aconteceu recentemente em áreas como o Cariri e Crateús. Mas há também aumento de casos em outras regiões, a exemplo da Região da Saúde de Fortaleza, onde na semana passada foram registrados 743 novos casos (crescimento de 72% em relação à semana anterior) nos 44 municípios da área, uma média de 106 por dia", diz a Sesa em nota.

Na sexta-feira (23), o governador Camilo Santana havia informado que o comitê que delibera sobre o plano de retomada econômica do Ceará definiu a proibição da realização de eventos festivos em ambientes fechados no Estado a partir do próximo decreto, que passa a valer na próxima segunda-feira (26). 

Ele chamou atenção ainda para um dado apresentado na reunião do comitê: de que o aumento recente de casos registrado em algumas áreas de Fortaleza tem atingido, com maior intensidade, as pessoas entre 20 e 39 anos de idade. 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados