Média móvel de casos de Covid-19 em Fortaleza mais que dobra em duas semanas, diz boletim da SMS

Apesar da tendência de aumento de casos com a variante Ômicron, as mortes pela doença ainda podem ser classificadas como um "evento, relativamente, raro"

Escrito por Lígia Costa, ligia.costa@svm.com.br

Metro
Profissional fazendo teste RT-PCR em paciente
Legenda: Positividade das amostras (RT-PCR) analisadas pelos laboratórios da rede pública de Fortaleza chegou a 23,3%
Foto: Natinho Rodrigues

O número de casos de Covid-19 continua a crescer em Fortaleza. A média móvel (174,1 casos) estimada nos últimos 7 dias, encerrados em 6 de janeiro, já supera em mais que o dobro o total registrado há duas semanas (74,6 casos).

Os dados referentes aos casos foram atualizados pelo IntegraSUS às 10h40 desta sexta-feira (7) e fazem parte do mais recente boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

De acordo com o informe semanal, a SMS vem verificando "uma tendência de aumento acelerado dos casos" na Capital, que levou a média móvel para um patamar que se aproxima de 200 casos nos últimos sete dias.

Embora a curva epidêmica de casos confirmados viesse se expressando graficamente como um platô, há agora uma inclinação ascendente, refletindo o aumento substancial do número de casos novos diários registrados desde dezembro de 2021.

Inclusive, soma a Pasta, entre os dias 31 de dezembro de 2021 até essa quinta-feira (6), a proporção de positividade das amostras (RT-PCR) de residentes de Fortaleza, analisadas pelos laboratórios da rede pública, foi de 23,3%.

Desde o início da pandemia, o maior número de casos (2.255) e a maior media móvel (1.643,1 casos) foram registradas nos dias 1 e 6 de março de 2021, respectivamente.

Queda "consistente" dos óbitos

Apesar da tendência de aumento acelerado de casos de Covid em Fortaleza e da oscilação provocada pela dominância da variante Ômicron, as mortes pela doença ainda podem ser classificadas como um "evento, relativamente, raro", aponta o boletim. 

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, foram registradas 22 mortes pela doença na Capital. A SMS atribui a queda de óbitos à maior cobertura vacinal contra a doença. 

"O cenário atual guarda similaridades com o que foi observado em agosto de 2020, reflexo do fim de um ciclo epidêmico. Agora, a diminuição das fatalidades tem sido mais consistente, potencializada pela vacinação de um grande contingente populacional". 

Por outro lado, pontua a Secretaria, "o recente aumento exponencial de casos, associado à dominância da variante Ômicron, exige avaliação sistemática dos dados".

Entre 2020 e 7 de janeiro de 2022, a maior taxa de mortalidade por Covid-19 em Fortaleza foi verificada na Regional IV (437,7%), somando 24.726 casos e 1.359 óbitos. Bom Futuro (580,7%) e Dendê (579,2%) foram os bairros mais afetados.

A análise de mortalidade foi realizada com base na confirmação laboratorial de novos óbitos, atualizada às 10h15 desta sexta.