Média de atendimento de síndrome gripal passa de 60 para 386 em duas semanas na Unimed Fortaleza

Presidente da cooperativa alertou que aglomerações no fim de ano poderão aumentar a demanda por internação hospitalar

Escrito por Redação, metro@svm.com.br

Metro
casos de gripe no ceará
Legenda: Já os casos de Covid-19 na rede se mantém estáveis há três meses
Foto: Leopoldo Kaswiner/Agência Diário

O número de atendimentos a pacientes com síndrome gripal na Unimed Fortaleza saltou de 60, média diária de duas semanas atrás, para 386 nessa segunda-feira (27). 

As informações foram repassadas nesta terça-feira (28) pelo presidente da cooperativa, Elias Leite, que citou um cenário de "superlotação" nas emergências.

"Duas semanas atrás, a média diária de atendimentos no nosso hospital era de 300 pacientes, sendo, aproximadamente, 60 com síndrome gripal. Ontem, nós atendemos no nosso hospital 610 pacientes, sendo 386 com síndrome gripal", detalhou.

Em paralelo à circulação do vírus, há também os casos de Covid-19. No entanto, segundo Elias Leite, apesar de a quantidade de pacientes com o coronavírus ter "aumentado um pouco", assim como a positividade de exames, não trouxe repercussão no total internamentos.

"Nós estamos hoje, em Fortaleza, pelo sistema Unimed com 18 pacientes com Covid, sendo quatro em UTI. Esse número tem se mantido assim há mais de três meses", esclareceu. 

Aglomerações no réveillon aumentarão casos

Na contramão da doença pandêmica, Elias afirmou que os diagnósticos de gripe devem aumentar nesta semana com a realização das  festas de réveillon, quando o distanciamento físico e os demais protocolos sanitários não são cumpridos à risca. 

"A gente espera que essa semana piore porque aumenta a quantidade de aglomerações com as festas de fim de ano. Como toda síndrome gripal, a transmissão se dá por contato. Estamos passando por esse momento difícil. Quanto mais aglomeração, mais quadro gripal", advertiu. 

Gripe no Ceará

O aumento de doenças respiratórias tem alcance estadual. Atualmente, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) contabiliza 174 casos de Influenza A, sendo 40 diagnosticadas como H3N2.

O que é a influenza A H3N2? 

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o vírus H3N2 é um dos subtipos da influenza A. Os sintomas dele são os clássicos de uma gripe:

  • febre alta com início agudo
  • cefaleia
  • dores articulares
  • constipação nasal
  • inflamação de garganta
  • tosse

Em alguns casos pode haver vômito e diarreia, sendo estas manifestações pouco frequentes e mais comuns em crianças. O H3N2 é considerado sazonal e bem conhecido ao redor do mundo desde que ocorreu uma pandemia em 1968 (gripe de Hong Kong).

A vacina contra a gripe protege contra o H3N2?

Sim. A vacina oferecida na anualmente no Sistema Único de Saúde (SUS) protege também contra os subtipos da influenza, incluindo o A H3N2. 

Sintomas de influenza (gripe)

  • Febre;
  • Dor de garganta;
  • Tosse;
  • Dor no corpo;
  • Dor de cabeça.