Há 87 anos, campo de concentração em Fortaleza foi atração para visitantes de outros estados

Uma comitiva, composta por jornalistas e famílias excursionistas, vindas do Sul foi apresentada a um “mostruário dos efeitos da seca” no Campo do Urubu, no Pirambu

foto
Campo de Concentração do Pirambu, em 1932, imagem do médico José Bonifácio Paranhos Costa no relatório da Comissão Médica de Assistência e Profilaxia aos Flagelados do Nordeste. Acervo: Valdecy Alves

Visitar uma cidade, buscar os lugares mais atrativos e ser conduzido a uma espécie de campo aprisionamento de pessoas. Foi esta situação vivida há 87 anos em Fortaleza por um grupo de brasileiros advindos do Sul do país. A comitiva, em junho de 1932, percorria Fortaleza em um dos primeiros grandes cruzeiros interestadual vindo da Sul para o Nordeste, quando foi levada por figuras públicas a um dos campos de concentração de retirantes da seca que existiu em Fortaleza, na década de 1930. 

O grupo, composto por jornalistas e famílias excursionistas, foi apresentada a um “mostruário dos efeitos da seca”, conforme noticiou a imprensa da época. Os visitantes estavam de passagem pela Capital em uma viagem que percorreria outras importantes cidades do país. Um dos “atrativos” da visita foi o Campo de Concentração do Uburu, na atual área do Pirambu. 


 

O cruzeiro no Navio Almirante Jaceguai, da Cia. de Navegação Lloyd Brasileiro, do Rio de Janeiro, teve início no Rio Grande do Sul e percorreu portos do Nordeste. No dia 14 de junho de 1932, ancorou em Fortaleza. O destino final era Manaus. Durante os dias 14 e 16 de junho de 1932 a excursão foi acompanhada pela imprensa cearense. 

Na visita ao Pirambu, os turistas deixaram cinco contos de réis em benefício dos flagelados expostos e encurralados pelas cercas e vigiados, registrou a imprensa da época. A miséria era o espetáculo e os dilemas do Ceará, que passava por um ciclo de seca intensa, era apreciado sob o discurso do exercício da caridade da população do Sul do país.

O livro “Isolamento e poder Fortaleza e os campos de concentração na seca de 1932”, da professora do Departamento de História da Universidade (UFC), Kênia Rios, também registra o episódio.

Segundo a autora do livro "é plausível considerar que a visita ao Campo de Concentração reavivaria a memória dos turistas sobre o flagelo que assolava o resto do Estado e que também chegava à Capital. Era importante não ocultar totalmente aos visitantes os horrores da seca. Afinal, era a projeção dessa imagem que garantia a vinda mais abundante de recursos financeiros. Aquele mostruário de seca revelava o flagelo de uma forma controlada. A demonstração do flagelo no Campo de Concentração provava aos sulistas a trágica existência da seca, ao mesmo tempo que assegurava a imagem de um bom uso dos recursos enviados pelos ricos do Sul ou pelo Governo Federal", relata a professora na publicação.

Localização atual

As imprecisões quanto à localização dos campos de concentração em Fortaleza perduram. Os registros, embora descrevam as características dos locais, pouco relatam sobre a exatidão do endereço hoje. 

A apuração do Diário do Nordeste, a partir do confronto de registros oficiais, matérias de jornais da época e depoimentos de pesquisadores, estima que o Campo do Urubu localizava-se na vizinhança à Rede de Viação Cearense (RVC), espaço que hoje abriga a sede da Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA) na Av. Francisco Sá. O campo era estruturado no terreno nas proximidades no sentido do mar. 

Condições sanitárias

De acordo com o relatório da Comissão Médica de Assistência e Profilaxia aos Flagelados do Nordeste, feito pelo médico José Bonifácio da Costa, apresentado ao diretor geral do Departamento Nacional de Saúde Pública em agosto de 1933, o campo de concentração do Pirambu chegou a abrigar 6 mil pessoas. O  relato do médico registra que "para abrigar a população de flagelados no Pirambú foram construídos grandes galpões cobertos de folha de zinco. No travejamento de madeira e em estacas numerosas eram armadas as redes". 

O documento diz que "foi organizada uma cozinha onde preparavam-se os alimentos. Compreende-se, porém, que a distribuição desse alimento a 6.000 pessoas devia ser execução morosa atendendo ao pequeno número de empregados para isto existentes. O resultado é que, a horas avançadas do dia ainda encontradas muitas pessoas sem alimentação". 

Outro registro é da diversas doenças no local, como diarreia, disenteriforme, gripes e paratifo (doença infecciosa com sintomas semelhantes aos da febre tifoide). No documento o médido argumenta que "além das próprias causas infecciosas essa situação agravava-se nessa ocasião com a luz solar intensa, a abundância das poeiras, o ar quente dos sertões percorridos e com a carência alimentar".