Bruno Krupp se posiciona após acidente: 'queria que o pior tivesse acontecido comigo'

Modelo ainda alega ter sido tratado de forma ríspida por funcionários do Hospital Municipal Lourenço Jorge

Bruno Krupp grava vídeo tentando se justificar por colisão que levou a morte de adolescente de 16 anos
Legenda: Bruno Krupp foi preso em hospital por atropelamento e morte de adolescente no Rio de Janeiro
Foto: Reprodução/Twitter

O modelo Bruno Krupp, 25 anos, gravou um vídeo relatando não ter culpa no acidente de trânsito que resultou na morte de um adolescente, no Rio de Janeiro. Nas imagens, o influenciador aparece deitado em uma cama de hospital. "Queria que o pior tivesse acontecido comigo", disse. 

Bruno foi preso na manhã desta quarta-feira (3), após atropelar e matar um jovem de 16 anos no último sábado (30). O mandado de prisão preventiva foi expedido pela juíza Maria Izabel Pena Pieranti, do Plantão Judiciário.

Logo após o acidente, foi levado ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, mas deixou a unidade na manhã de domingo (31). Hoje, a prisão ocorreu em outro hospital, na zona norte do Rio de Janeiro.

"Gente, pelo amor de Deus, eu sou a última pessoa que queria que isso tivesse acontecido. Pode ter certeza que eu queria que o pior tivesse acontecido comigo".
Bruno Krupp
Suspeito de homicídio

No vídeo, ainda negou ter tentado fugir da polícia. "Eu fui levado de ambulância, eu fui transferido de hospital, eu não fugi do hospital, não fugi dos médicos", disse. 

Críticas ao hospital

Durante gravação, também criticou o atendimento no Hospital Municipal Lourenço Jorge, relatando ter sido tratado de forma ríspida.

"Fiquei três horas esperando para ser atendido, e ninguém me atendia. Eu estava morrendo no hospital, os empregados me tratando mal no hospital, batendo com a maca no corredor, me chamando de assassino, como se eu tivesse feito alguma coisa errada". 
Bruno Krupp
Modelo

Já a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em nota, informou que nenhuma queixa foi registrada contra o Hospital Lourenço Jorge. "Não há registro de queixa do paciente sobre supostas condutas inadequadas por parte da equipe assistencial".

A secretaria ainda detalhou como ocorreu o atendimento: "o paciente Bruno Krupp passou por todos os cuidados e exames indicados, inclusive tomografia computadorizada, e teve alta no domingo. Em diversos momentos durante o atendimento ele expressou desejo de deixar a unidade e ir a um hospital da rede particular".

Velocidade acima do limite da via

Ao final do vídeo, Bruno declara não ter feito nada. "Eu não bebi, eu não usei droga, não fiz nada. Foi um acidente, gente!". O advogado do acusado, William Pena, por sua vez, admitiu que Krupp pilotava em alta velocidade. Segundo ele, uma "falha no freio" foi responsável pelo acidente. 

Pena considerou o pedido de prisão preventiva exagerado. Conforme a Polícia, no momento do acidente ele trafegava a 150 km/h. O limite da via é 60 km/h.

"A vítima ameaçou atravessar (a faixa) e voltou. O que ele (Bruno) me disse antes de entrar na cirurgia, hoje, foi que a moto deu uma pane no freio e ele perdeu o controle, porque ele se assustou com o rapaz (a vítima) voltando", sustentou o advogado.

"A juventude de hoje quer dar uma arrancada, ele vai pagar um preço. Agora, não se pede a prisão preventiva de uma pessoa fundamentando apenas porque viram no Instagram, que o cara é isso, o cara é aquilo", concluiu Pena.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil