Foto de meme de criança e prédio incendiado é vendida por mais de R$ 2 milhões nos EUA

Registro, feito de 2005, foi comprado pela própria menina, que tem 21 anos atualmente

Registro de tweet sobre a imagem de Zoe Roth
Legenda: A imagem de Zoe Roth é chamada de "Disaster Girl", algo como "Garota Desastre" em tradução livre ao português
Foto: reprodução/Twitter

A foto de um dos maiores memes da Internet foi vendida por US$ 473 mil, cerca de R$ 2,5 milhões. Mostrando uma garota sorrindo, em primeiro plano, enquanto um prédio queima ao fundo, o registro virou clássico nas redes sociais há anos.

De acordo com informações do jornal britânico 'The Independent', a foto foi transformada em NFT, sigla que exemplifica quando um selo de autenticidade é concedido a determinada imagem digitalmente, garantindo que o comprador seja o único dono dela.

A compra, inclusive, foi feita pela própria menina registrada na imagem. Zoe Roth, que hoje tem 21 anos e estuda na Universidade de Chapel Hill, nos EUA, é a criança sorridente em meio a um incêndio.

Meme de 2005

No entanto, a imagem de Zoe ainda pequena não é nova. A foto foi clicada pelo pai da jovem em 2005, quando os dois passavam pela cidade de Mebane, localizada no estado da Carolina do Norte, em solo estadunidense.

O meme virou motivo de humor porque a menina aparece com uma expressão irônica no rosto ao visualizar o incêndio, o que sugere que ela mesma tenha sido a responsável. 

Entretanto, a história é mais tranquila do que parece. Na verdade, as chamas do tal incêndio foram iniciadas pelos bombeiros da cidade, como uma espécie de treinamento para atividades.

Dinheiro no bolso

A decisão de Zoe Roth para a compra da imagem veio após o recebimento de um telefonema ainda no início deste ano. Segundo um especialista, que explicou a situação à jovem, o direito digital da foto poderia render uma quantia razoável.

O NFT, sigla utilizada para identificar o direito, foi adquirido em criptomoeda. Agora, a cada revenda do NFT, Roth receberá cerca de 10% do valor da transação.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo