Dente-de-Leão: veja benefícios e como fazer o chá da planta

Planta possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias

Escrito por Beatriz Rabelo, beatriz.rabelo@svm.com.br

Ser Saúde
Dente de Leão Branco
Legenda: O dente-de-leão se multiplica a partir das próprias sementes espalhadas na natureza
Foto: Shutterstock

O dente-de-leão é uma planta com origem europeia e asiática, conhecida como invasora ou erva daninha. Conforme o professor de floricultura na Universidade Federal do Ceará (UFC), Roberto Takane*, ela é do gênero Taraxacum, podendo ser consumida como salada. 

Como as folhas serradas se assemelham a dentes, ficou conhecida popularmente como "dente de leão". Nutricionista formada pela Universidade Estadual do Ceará (Uece), Renata Cristina Machado** aponta que a planta é rica em vitaminas e minerais. 

Dente de Leão amarelo
Legenda: O dente-de-leão é encontrado amarelo durante a fase da floração da planta
Foto: Shutterstock

"Esta planta é adaptável a diferentes tipos de solo e tem por características seu sabor amargo, suas flores amarelas e seus frutos com um chumaço de pelos brancos", acrescentou.

Em entrevista ao Diário do Nordeste, os especialistas detalharam os benefícios da planta, os cuidados necessários durante o consumo do dente-de-leão, assim como a forma de cultivo em vaso.

Quais os benefícios?

A planta possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Além disso, contribui para aliviar os sintomas da indigestão, como flatulência e a "sensação de estar cheio". Conforme Renata, isso ocorre porque o dente-de-leão favorece a secreção de suco gástrico e saliva. 

O dente-de-leão também tem efeito:

  • Laxativo: ajuda o indivíduo a defecar;
  • Diurético: aumenta o volume do fluxo urinário. 

"Auxilia de forma complementar no tratamento de problemas menores do trato urinário, contanto que condições mais graves tenham sido descartadas pelo médico", concluiu a nutricionista. 

Contraindicações

O dente-de-leão é contraindicado para pessoas que possuem alergia a algum de seus componentes. Além disso, por falta de estudos que comprovem a segurança do uso, Renata não recomenda o consumo para gestantes e lactantes.

Entre outros grupos que devem evitar o uso de dente-de-leão estão pessoas com diagnóstico de:

  • Gastrite;
  • Cálculos biliares;
  • Obstrução dos ductos biliares e do trato gastrointestinal;
  • Doenças no fígado;
  • Úlcera gastroduodenal;
  • Diabete;
  • Doenças renais e cardíacas. 

No caso de pessoas que fazem uso de medicações, a nutricionista alerta a importância de consulta médica prévia, já que o consumo de dente-de-leão pode influenciar na ação dos remédios. 

"O uso concomitante pode reduzir a absorção de antibióticos e o efeito de outras medicações, por exemplo", detalhou.

Por fim, também ressalta que o uso excessivo da planta ou do chá pode resultar em dor epigástrica, hiperacidez e vômitos.

Dente de Leão amarelo
Legenda: Planta é originária da Europa e Ásia
Foto: Shutterstock

Como é a planta?

Dente-de-leão emagrece? 

A nutricionista aponta que alguns estudos associam o consumo do dente-de-leão ao emagrecimento. No entanto, não há consenso sobre o assunto. 

Além disso, ainda apontou que nenhum alimento tem a capacidade de, isoladamente, “emagrecer” ou “engordar” um indivíduo. O emagrecimento ocorre com a prática de atividade física e o consumo de alimentos saudáveis de modo geral. 

Como é a flor?

A flor mais comum das espécies de dente-de-leão tem muita similaridade com o crisântemo. Cada "pétala" é uma flor completa. "Existem de várias cores, mas o mais comum é na de cor amarela", explicou Roberto.

Flor Crisântemo
Legenda: A flor crisântemo se assemelha ao dente-de-leão, porém, são espécies diferentes
Foto: Shutterstock

Consigo cultivar em vaso?

Sim. Roberto aponta ser possível cultivar o dente-de-leão em vasos, porque é uma planta muito resistente e, quando adubada corretamente, pode ser bem ornamental. "O problema é encontrar as sementes destas espécies", relatou. 

Com a planta produz muitas sementes que se dispersam com o vento, relata ser interessante colocar o dente-de-leão em um saco de papel no período em que as flores dele estão secando. Essa ação pode evitar a perda das sementes.

Como preparar o chá

É possível fazer o chá de dente-de-leão tanto a partir do método da decocção quanto da infusão. No primeiro caso, o preparo ocorre após ferver cerca de 3 a 4 gramas da planta inteira rasurada, em água, durante 10 minutos.

Imagem mostra o chá da planta Dente de Leão
Legenda: A partir da planta, é possível fazer um chá de dente-de-leão
Foto: Shutterstock

Já no método de infusão, é recomendado seguir os seguintes passos:

  1. Ferver aproximadamente 200ml de água e, após a fervura, apagar o fogo;
  2. Adicionar cerca de 4 a 10 gramas da planta na íntegra (com raiz) e deixar abafado por cinco minutos (para extrair as propriedades medicinais);
  3. Por fim, já é possível consumir o chá. 

Após o preparo, deve-se tomar o chá até três vezes ao dia, de acordo com a indicação de nutricionista ou médico. 

*Professor Doutor Roberto Takane é professor de floricultura na Universidade Federal do Ceará (UFC), com mais de dez livros publicados na área. Mantém um canal no YouTube com informações e dicas específicas sobre plantas e cuidados.

**Renata Cristina Machado Mendes é nutricionista formada pela Universidade Estadual do Ceará (Uece). Mestre em Nutrição e Saúde pela Uece, e especialista em Diabetes pela Universidade Federal do Ceará (UFC).