Polícia encontra laboratório de drogas no Montese e prende ex-fuzileiro naval

O suspeito foi preso em casa com 1kg de cocaína; local era disfarçado como loja de suplementos alimentares

Foto: Foto: Leábem Monteiro

Um laboratório de cocaína funcionando em uma sala comercial no Bairro Montese, em Fortaleza, foi descoberto pela polícia na última quinta-feira (30). O caso foi divulgado nesta segunda-feira (3) pela Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD). Um ex-fuzileiro naval foi preso, suspeito de manter o local.  

A prática ilegal era disfarçada como uma loja de venda de suplementos alimentares, segundo a polícia.  

O suspeito possui uma extensa ficha criminal, incluindo crime de tráfico de drogas, e já era monitorado pelo setor de inteligência da polícia. Na última quinta-feira, ele foi preso em flagrante em um condomínio no Bairro Siqueira, onde morava, em posse de 1kg de cocaína.  

Foto: Foto: Divulgação

Fórmulas e embalagens

Os policiais foram até a sala comercial alugada em nome do ex-fuzileiro e lá encontraram materiais e uma estrutura montada que sugeria a prática laboratorial para produzir e comercializar a substância ilícita.  

Cadernos com anotações de fórmulas foram encontrados no local, além de balanças, máquinas seladoras, embalagens e substâncias normalmente usadas para a composição da cocaína comercializada pelo tráfico de drogas, informou o delegado adjunto da DCTD, Marciliano Ribeiro. 

Além disso, a polícia apreendeu cerca de 2 kg de um pó banco com características análogas à cocaína dentro da sala, computadores e máquinas de cartão de crédito. Todo o material vai passar por perícia. 

Suplementos alimentares

De acordo com o delegado Ribeiro, o suspeito possui uma empresa registrada, referente ao endereço vistoriado pela polícia, como produção e comercialização de suplementos para atletas. As embalagens encontradas na sala comercial tinham logo da suposta empresa. 

No entanto, segundo o delegado, o homem não tem formação na área e nem licença para manipular os insumos. A DCTD investiga se o suspeito utilizava as embalagens para a distribuição da droga, com intuito de despistar a polícia. 

“O disfarce não se sustenta, é frágil”, comentou o delegado adjunto. 

Ribeiro afirmou, ainda, que o patrimônio do ex-fuzileiro chamava atenção da polícia. Na casa dele foram encontrados dois carros registrados nos nomes do suspeito e da esposa. 

O homem prestou depoimento à polícia e negou o crime. A esposa, a qual tem o nome registrado em outra empresa do suspeito, também foi ouvida, mas alegou não ter conhecimento da prática ilegal.  

A polícia chegou a vistoriar o aparelho celular da mulher, mas nada foi encontrado. O suspeito não permitiu que a polícia tivesse acesso ao seu celular. 

Possíveis pontos de abastecimento da droga produzida no laboratório são investigados. A polícia acredita que a prisão do homem deve interferir no tráfico de drogas da cidade.  

Você tem interesse em receber mais conteúdo de segurança?