Oito suspeitos de participar da Chacina da Sapiranga têm prisão preventiva decretada pela Justiça

Além deles, quatro adolescentes foram apreendidos pelos crimes. Seis armas de fogo foram localizadas na operação policial

Escrito por Messias Borges, messias.borges@svm.com.br

Segurança
chacina sapiranga
Legenda: Cinco pessoas foram mortas a tiros no Campo do Alecrim, na madrugada do dia 25 de dezembro
Foto: Fabiane de Paula

A Justiça Estadual já converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva dos oito homens presos por suspeita de participarem da Chacina da Sapiranga, que deixou cinco mortos e seis feridos, durante a celebração de Natal, em Fortaleza, na madrugada do último sábado (25). Além deles, quatro adolescentes foram apreendidos pelos crimes.

O último suspeito detido pela Polícia Civil do Ceará (PCCE), João Ricardo Sousa da Silva, o 'Das Facas' ou 'RJ', teve a prisão preventiva decretada pelo Plantão Judiciário na última terça-feira (28). Ele foi capturado no dia anterior, dentro de um veículo, quando fugia de Fortaleza - o que foi evidenciado pela quantidade de roupas desorganizadas, segundo a Polícia.

Presentes, portanto, o risco à ordem pública e aplicação da lei penal, indícios de materialidade e de autoria delitiva e tratando-se de crime grave (múltiplos homicídios), cuja pena máxima é superior a 4 anos de reclusão, mostra-se perfeitamente cabível a prisão preventiva do representado, não se vislumbrando qualquer outra medida cautelar adequada e suficiente a assegurar que, uma vez solto, não praticará atos semelhantes aos que lhes são agora imputados."
Ireylande Prudente Saraiva
Juíza de Direito

João Ricardo tem passagens pela Polícia por homicídio e uso de drogas e foi apontado por testemunhas como um dos mandantes da Chacina da Sapiranga, mas ele nega ter ordenado ou participado da matança. Nenhum ilícito foi encontrado com o suspeito.

A reportagem apurou que a Chacina foi motivada por disputa de território para o tráfico de drogas. Dissidentes de uma facção de origem carioca, que passaram a integrar outra organização criminosa (o que é conhecido no mundo criminoso como "rasgar a camisa"), praticaram a carnificina com o intuito de tomar o território do Campo do Alecrim.

Presos têm antecedentes criminais

A Justiça também decretou a prisão preventiva de mais sete suspeitos de participar da Chacina. Na última segunda-feira (27), o Plantão Judiciário converteu as prisões de Thiago Farias de Lima e Mateus Aguiar de Sousa - este último está internado sob escolta policial, por ter sido baleado em um confronto com a Polícia.

Thiago de Lima já respondia por crimes do Sistema Nacional de Armas e tráfico de drogas e Mateus de Sousa, também por tráfico. Ambos também foram reconhecidos por testemunhas dos homicídios. A defesa pediu pela liberdade da dupla.

"Ora, a suposta prática de outros crimes, aponta no sentido de que os autuadosdesafiam a paz social e, em liberdade, encontrarão estímulo para continuarem na searacriminosa, pois a atuação do Poder Judiciário, até o momento, não foi suficiente para frearsuas inclinações à prática de condutas ilícitas, situação indicativa do seus desprezos e desrespeitos à Justiça", justificou a juíza Flávia Setúbal de Sousa Duarte, na decisão.

No dia anterior, o Poder Judiciário já havia convertido as prisões dos outros cinco suspeitos presos por participação na Chacina, que também tinham antecedentes criminais. Confira:

  • Alessandro Vieira da Silva, já respondia por tráfico de drogas;
  • Antônio Gabriel Sousa da Silva, violação de domicílio, porte ilegal de arma de fogo, homicídio e tráfico de drogas;
  • Charles Dantas Oliveira, homicídio;
  • Gabriel Sousa Freitas, por porte ilegal de arma, homicídio e tráfico de drogas;
  • e Mateus Acelino da Silva, por tráfico de drogas.

Além dos oito adultos presos e quatro adolescentes apreendidos (entre 15 e 17 anos de idade), a Polícia apreendeu seis pistolas (calibres 380, Ponto 40 e 9 milímetros), dois equipamentos que transformam pistolas em rifles, 98 munições de calibres variados, a quantia aproximada de R$ 800 em espécie, uma pequena quantidade de cocaína e aparelhos celulares.