Ventos com velocidade de 60km/h atingem cidade de Iguatu, na região Centro-Sul do Estado

Esse foi o maior registro do fim de semana, segundo o Inmet. Já nesta segunda-feira (21), a cidade teve ventos de 53,6km/h e Tianguá de 56,9km/h

A cidade de Iguatu, na região Centro-Sul cearense, registrou a maior rajada de vento no interior cearense neste fim de semana. No domingo (20), o Município teve ventos com velocidade máxima de 60km/hora, que recebe a classificação de forte. Os dados foram divulgados pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). 

Já segundo a Funceme, nesta segunda-feira (21), as maiores rajadas registradas no Ceará foram de 56,8 km/h em Tianguá e 53,6 km/h em Iguatu. No Sertão cearense, a ocorrência de ventos mais intensos, conforme o Inmet, é observada entre setembro e dezembro.

“No semiárido, predomina os ventos de direção Nordeste, mas nessa época do ano acontecem os ventos de Sudeste, por influência do centro de alta pressão no oceano Atlântico Sul”, explicou Flaviano Fernandes, meteorologista do Inmet.  

Já na faixa litorânea do Ceará, na porção norte do Estado, os meses de julho, agosto e setembro são caracterizados por rajadas fortes de vento. Ainda segundo meteorologista Flaviano Fernandes, no momento há influência do fenômeno La Niña, no Oceano Pacífico, que também contribui para a ocorrência de rajadas de ventos mais intensos no Ceará. 

Incidência

De um modo geral, o Inmet tem observado ventos mais fortes em Tianguá (48km/h), que é favorecido pela altitude da Serra da Ibiapaba e Jaguaruana (45km/h). Neste mês, conforme dados do Inmet e Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), os municípios de Acaraú e Jaguaruana apresentam as maiores velocidades médias dos ventos com 19,8km/h e 18,7km/h, respectivamente.

A gerente de Meteorologia da Funceme, Meiry Sakamoto, detalha que com o fim do período chuvoso, alguns fatores influenciam a elevação da intensidade dos ventos.

“O primeiro, e mais importante, é o deslocamento do Sistema de Alta Pressão Atmosférica do Oceano Atlântico Sul em direção ao Nordeste do Brasil, e o segundo é a redução na nebulosidade”. 

Sakamoto acrescenta que nesse período do ano, o Ceará fica "no meio do caminho" entre a Alta Pressão do Atlântico Sul e a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), fazendo com que os ventos alísios fiquem mais intensos e constantes. 

Já a partir de dezembro e janeiro há uma diminuição na intensidade dos ventos com aproximação da quadra chuvosa. “Ocorrem os ventos vindos da direção Nordeste, por aproximação e influência da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT)”, pontuou Flaviano Fernandes, meteorologista do Inmet. 

Classificação

De acordo com escala de vento de Beaufort, a velocidade entre 50 e 61km/h é classificada como forte e, entre 62km/h e 74km/h, muito forte. “Iguatu, portanto, neste domingo, ficou próximo de ter uma rajada de vento muito forte”, acrescenta Fernandes. 

Esses ventos trazem preocupação aos produtores de banana das várzeas do rio Jaguaribe nos municípios de Iguatu e Cariús. Eles destacam, sobretudo, a ocorrência de queda de bananeiras o que acarreta prejuízos.

“Infelizmente, esse é um problema que tem sido recorrente”, observou o secretário de Agricultura de Iguatu, Venâncio Vieira. A variedade pacovan,  que chega a uma altura acima de quatro metros e tem caule fino, é mais susceptível ao impacto da ventania. 

Em dezembro de 2014, por exemplo, produtores registram prejuízo total estimado em R$ 5 milhões, em uma área de 200 hectares. Mais de 100 agricultores de base familiar foram afetados com o fenômeno e cerca de 30 trabalhadores rurais. 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará