Saiba quais são as cidades do Ceará que ainda estão em lockdown

Municípios decidiram pelo isolamento social rígido em virtude dos números de contaminação da Covid

Legenda: Além do lockdown, o município de Pacoti manteve as barreiras sanitárias
Foto: Divulgação

Mesmo com o avanço da reabertura econômica no Ceará, os municípios têm liberdade para decretar medidas de contingência por segurança. Um total de quatro municípios, até esta segunda-feira (26), resolveu instituir lockdown: Quixadá, Pacoti, Boa Viagem e Ibaretama.

[Atualização às 19:16, de 26/04/21] O Diário do Nordeste noticiou anteriormente que apenas duas cidades do Ceará permaneciam em lockdown. A informação correta é de que, até esta modificação, são quatro cidades. Boa Viagem publicou decreto no sábado (24) e Ibaretama divulgou a ação no dia 22 de abril.

Em Quixadá e Ibaretama, o isolamento social rígido iniciou na última sexta-feira (23) e segue até o próximo domingo (2). Em Pacoti e Boa Viagem, o lockdown começou nesse domingo (25), sendo em Pacoti a medida vai até 5 de maio, enquanto Boa Viagem tem prazo findando dia 2.

A prorrogação em Pacoti, advém dos números de infecções ainda em alta e da elevada taxa de ocupação nos hospitais-polo do Interior. Já Lavras da Mangabeira, Baturité e Capistrano fizeram uma série de liberações que descaracterizam o lockdown

Segundo a Secretaria da Saúde do Município de Pacoti, a manutenção das "medidas mais duras" está pautada na taxa de transmissão que ainda inspira atenção. "Pacoti é uma cidade turística, com comércio movimentado, posto de gasolina e rede bancária que servem de aporte para os municípios vizinhos. Dessa forma, foram necessárias medidas rígidas para a contenção de circulação de pessoas".

Apesar dos números ainda em alta, alguns setores foram liberados, como abertura de restaurantes e lanchonetes com capacidade limitada em 50%, abertura de Igrejas com 25% da capacidade e permissão de funcionamento para salões e barbearias. 

Continua proibido no lockdown:

  • comércio de rua e ambulantes;
  • utilização de espaços públicos;
  • realização de festas;
  • prática de atividade física individual ou coletivo em locais públicos ou privados;
  • academias;
  • bares;
  • feiras

Na modalidade delivery, o documento autorizou o funcionamento de depósitos de construção, casas de peças, lojas de departamento e frigoríficos. A Secretaria da Saúde de Pacoti justificou que "a flexibilização, com medidas bem mais rígidas que a do governo do Estado, foi decidida após avaliação dos indicadores". 

Se for necessário uma maior rigidez ela acontecerá, mediante as decisões das autoridades sanitárias.

Nos fins de semana, todas as modalidades só serão permitidas por meio de delivery. Além disso, o Município também segue com o toque de recolher, diariamente, das 19h às 5h. Quem descumprir o decreto, está sujeito a aplicação de multa que varia de R$ 100 a R$ 1.000 para pessoa física e de R$ 1.000 a R$ 10.000 pessoa jurídica.

O Município manteve as barreiras sanitárias e informou que realiza "fiscalização volante na zona rural e urbana dispersando aglomerações, desinfecção das ruas e áreas com maior incidência de casos confirmados, aumento dos valores de multas e inclusive a suspensão de alvará de estabelecimentos que descumpram as medidas".

A cidade também dobrou a oferta de leitos de enfermaria exclusivos para tratamento da Covid-19, passando de cinco para 10. "Houve também a implantação do ambulatório Covid que conta com uma equipe multiprofissional, a partir da contratação de fisioterapeutas, psicólogo, nutricionista e equipe de enfermagem auxiliando a nível hospitalar e domiciliar os casos da doença", acrescentou.

Segundo IntegraSus, Pacoti tem 844 infectados. Deste total, 60% das infecções ocorreram em 2021. O Município tem ainda 14 mortes confirmadas por decorrência da Covid-19.

Flexibilização 

Em Lavras da Mangabeira, no Sul do Estado, o novo decreto permitiu funcionamento de atividades não essenciais com 30% da capacidade, além de academias e Igrejas com 25%. No fim de semana, a exemplo do preconiza o decreto Estadual, o Município entra em lockdown, com fechamento destes setores. O documento prevê ainda toque de recolher de segunda a sexta-feira, das 20h às 5h.

Apesar da flexibilização, o prefeito Ronaldo Pedrosa Lima, disse "esperar a estabilização dos casos ao longo desta semana". No entanto, ele ressaltou que "caso os números não melhorem, na segunda-feira (3), entraremos novamente em lockdown total, fechando inclusive as agências bancárias".

A secretária da Saúde de Lavras, Giancarla Queiroz, acrescentou a preocupação existente na "transmissão do vírus entre os mais jovens". Segundo ela, este tem sido o grande gargalo no combate à pandemia.

"São essas pessoas que, ao retornar às casas, muitas das vezes vindo de festas clandestinas em chácaras e até de banhos em barragens e açudes, levam o vírus e o transmitem às pessoas idosas. Isso tem nos preocupado muito", alerta.

Conforme dados do IntegraSus, plataforma oficial da Secretaria da Saúde (Sesa) do Estado, Lavras da Mangabeira tem 1.792 casos confirmados e 33 óbitos por decorrência da Covid-19. O Município pertence à região da saúde do Cariri, onde 95,97% dos leitos de UTI estão ocupados. O Hospital Regional do Cariri (HRC), referência na região, está com todos os 64 leitos ocupados. 

No município de Baturité, o decreto também foi flexibilizado. A secretária da Saúde, Joana Furtado, justificou dizendo que "o número de casos e internações estão reduzindo". Diante do que ela considerou como "avanço", a gestora informou que o comércio de rua foi autorizado, dentre outras permissões. 

Passam a ser liberadas:

  • comércio de rua das 7h às 13h;
  • aulas presenciais para o 1º e 2º do ensino fundamental;
  • restaurantes das 10h às 18h, com limitação de 25% do público;
  • prática de atividades físicas das 7h às 13h em espaços abertos;
  • instituições religiosas com 10% do público

As academias seguem proibidas. Todas as atividades acima, no entanto, ficam vetadas das 20h de sexta-feira, às 5h da segunda-feira. Segundo o IntegraSus, Baturité tem 2.287 casos confirmados e 50 mortes. Somente em 2021, foram confirmadas 1.508 infecções, o que representa 65% do total. 

 

 

A cidade de Capistrano foi outra que adotou uma série de flexibilizações no novo decreto. Dentre elas está a abertura do comércio de rua, das 8h às 16h, como limite de atendimento em 25% da capacidade. As Igrejas também estão permitidas, com limite de 20% do público. As atividades essenciais seguem autorizadas. O documento é válido até o dia 1º de maio.

A liberação, conforme a gestão municipal, considerou "a tendência de estabilização nos números da pandemia, embora o cenário ainda preocupe e inspire cuidados".

Atividades liberadas no Município:

  • comércio de rua e serviços, das 8h às 16h, com capacidade 25% de atendimento;
  • farmácias;
  • supermercados;
  • padarias;
  • órgãos de imprensa;
  • funerária;
  • postos de combustíveis; 
  • templos religiosos com 20% da capacidade; 
  • restaurantes com até seis pessoas por mesa;
  • hotéis e pousadas

As academias seguem com funcionamento proibido. Segundo o decreto, "as atividades liberadas serão rigorosamente fiscalizadas". Ainda conforme o novo documento, o toque recolher em Capistrano terá início às 20h e segue até às 5h.

Diário do Nordeste tentou contato com a Secretaria da Saúde do Município, mas as ligações não foram atendidas. Capistrano tem 1.532 infecções - dentre os quais 50% foram nos 4 primeiros meses deste ano - e 25 óbitos. Os dados são do IntegraSus.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará