Mais de 50 municípios cearenses têm precipitações no 1º dia da pós-quadra chuvosa

A maior chuva caiu em Jaguaretama, que registrou 33,4 milímetros. Apesar do fim da quadra chuvosa — de fevereiro a maio — precipitações acontecerão neste mês de junho, alerta Funceme

Legenda: Nas últimas horas choveu em todas as regiões do Estado
Foto: Marciel Bezerra

Mesmo com o fim da estação chuvosa no Ceará, o dia 1º de junho registrou chuvas em 52 municípios entre as 7h de ontem e às 7h desta segunda-feira, segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). A maior delas caiu no município de Jaguaretama, na região Jaguaribana, com 33,4 milímetros. As preceituações tendem a acontecer, ainda que com menor intensidade, neste mês que se inicia.

Neste intervalo, choveu nas oito macrorregiões monitoradas pela Funceme. Além de Jaguaretama, houve precipitações de destaque em Quixadá (31,2 mm), Banabuíu (21,3 mm), Itatira (21 mm) e Iracema (17 mm).

De acordo com Meiry Sakamoto, gerente de meteorologia da Funceme, apesar de junho marcar o início da pós-estação chuvosa e se observar uma redução no volume pluviométrico, isso não significa o fim das precipitações no Ceará. Neste mês, o normal climatológico é de 37,5 milímetros no Estado.

“Nessa época do ano, se tornam mais frequentes a formação das ondas leste na costa da África. Esses sistemas se deslocam até a região Nordeste e muitas vezes alcançando nosso Estado, favorecendo a ocorrência de chuvas, principalmente em parte do litoral, região Jaguaribana e, até mesmo, no Cariri”, explica.
 

Mesmo com a redução das chuvas nesta época do ano, Sakamoto explica que as áreas próximas à faixa litorânea acabam recebendo mais precipitações que o sul do Estado. “Justamente por causa da proximidade da região oceânica, que favorece a formação de áreas de instabilidade”, justifica a meteorologista. 

Para junho, as precipitações tendem a cair mais no Litoral de Fortaleza e no Maciço do Baturité, que tem uma normal climatológica de 89,4 milímetros e 81,9 milímetros, respectivamente. Já as regiões menos favorecidas, neste mês, são o Cariri e o Sertão Central e Inhamuns, que observam para o período 19,4 milímetros e 29,2 milímetros, nesta ordem.  

Previsão       

Ainda segundo Sakamoto, as análises de satélite mostram a formação de áreas de instabilidade no Oceano Atlântico, próxima a costa cearense. “Em conjunto com a brisa marítima, pode continuar a favorecer a ocorrência de chuvas nos próximos dias, principalmente amanhã”, pontua a pesquisadora. 

A Funceme prevê para esta segunda-feira (1º), nebulosidade variável em todo o Ceará, com possibilidade de chuva na faixa litorânea, no Maciço do Baturité, na região Jaguaribana e na Ibiapaba. Já amanhã (02), o tempo segue nublado de forma oscilante em todas as regiões, com chuva isoladas nos litorais do Pecém e de Fortaleza.

Nas demais áreas, há possibilidade de precipitações. Enquanto na quarta-feira (03), também predomina a nebulosidade variável em todo o território do Estado, com chances de chuva na faixa litorânea, no Maciço de Baturité e na região Jaguaribana. 

Bons índices

Com mais de 730 mm precipitados na quadra chuvosa, segundo balanço parcial da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), este foi o primeiro quadrimestre desde 2009 a ficar acima da média histórica - de 695.8 mm. Desde 1973, quando a Funceme passou a disponibilizar os dados pluviométricos, isto só aconteceu em 12 ocasiões.