Partido é alvo de cabo de guerra entre aliados de Camilo Santana e Jair Bolsonaro no Ceará

Deputado federal Pedro Bezerra soube pela redes sociais que foi destituído do comando do PTB, entregue ao filho de Delegado Cavalcante (PSL)

Deputado federal Pedro Bezerra e deputado estadual Delegado Cavalcante
Legenda: Pedro Bezerra foi destituído do comando do PTB no Ceará, entregue ao filho do deputado estadual Delegado Cavalcante
Foto: Agência Câmara/AL-CE

Até então na base aliada do governador Camilo Santana (PT), o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) virou alvo de um cabo de guerra entre governistas e bolsonaristas no Ceará. Destituído da presidência estadual do partido, o deputado federal Pedro Bezerra afirma que deve procurar o presidente nacional da sigla, Roberto Jefferson, para receber esclarecimentos sobre a mudança. Ele diz ter ficado sabendo pelas redes sociais que o PTB passaria a ser comandado no Ceará pelo advogado Fellipe Cavalcante, filho do deputado estadual Delegado Cavalcante (PSL).

“Fiquei sabendo pelas publicações do próprio Roberto Jefferson nas redes sociais. Ele também não entrou em contato comigo, não me avisou. Não houve nenhum comunicado, apenas essa publicação, tanto dele como do novo presidente”, disse o parlamentar. 

Veja o anúncio de Roberto Jefferson:

O deputado federal, no entanto, afirma que, por ora, deve continuar nos quadros do PTB, que, com o novo comando e uma guinada bolsonarista, passa a fazer oposição ao governador Camilo Santana (PT) e seu grupo político.

“Permaneço na base de apoio ao governador Camilo Santana e também continuo aliado do senador Cid Gomes. Vou a Brasília semana que vem, pretendo conversar com o Roberto Jefferson e saber o que aconteceu, pelo menos para entender o porquê de não ter sido comunicado previamente. Por enquanto, permaneço no PTB. É algo muito recente. Então, não existe ainda nenhuma definição”, disse Pedro Bezerra sobre a possibilidade de mudar de partido. 

Tensões no comando do PTB

A mudança reflete tensões que já vinham se acumulando entre os comandos nacional e estadual da legenda. No ano passado, a executiva nacional proibiu, para as eleições municipais, alianças com 11 partidos, a maioria de esquerda, mas a chapa encabeçada por Arnon Bezerra (PTB) em Juazeiro do Norte trazia como vice o petista Gabriel Santana, o que desagradou o presidente Roberto Jefferson e acabou levando à deposição de Arnon da presidência estadual, posto ocupado por ele por 17 anos.

O filho do ex-prefeito de Juazeiro, Pedro Bezerra, acabou herdando o comando, mas já em nítida queda de braço com a executiva nacional. O mal-estar se acentuou quando o parlamentar cearense contrariou a orientação do partido e votou pela manutenção da prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL/RJ), em 19 de fevereiro. 

Mudança anunciada 

Apesar de Pedro se dizer surpreso com a decisão, Roberto Jefferson já vinha afirmando publicamente que o afastaria da presidência. No lugar do único deputado que a legenda tem no Ceará, quem assume a presidência é Fellipe Cavalcante, advogado de 34 anos, filho de Delegado Cavalcante.

Se, com a mudança, o PTB pode acabar perdendo um deputado federal, com eventual saída de Pedro Bezerra, poderá ganhar um nome na Assembleia.

“Eu estou com a ação que está correndo na Justiça pedindo minha saída do PSL, e, saindo do PSL, é uma grande opção o PTB”, disse Cavalcante. 

O deputado estadual fala sobre o novo momento do partido. “O estatuto hoje é conservador, de direita e cristão”, explicou. Delegado Cavalcante afirma que já vem sendo procurado por outras lideranças de direita para reforçar os quadros do PTB, mas não cita nomes.

O deputado também rebate críticas sobre possível inexperiência política do filho para o cargo. “Desde criança, sempre me ajudou. Ele tem experiência”, sustentou. Fellipe Cavalcante estava em viagem de carro e não pode dar entrevista nesta sexta-feira (26).

Anúncio nas redes sociais 

A mudança na presidência do PTB cearense foi anunciada pelas redes sociais de Roberto Jefferson, Delegado Cavalcante e Fellipe Cavalcante. O deputado do PSL postou vídeo em que aparecia ao lado do filho e do presidente nacional da sigla, que, com a troca de comando, afirmava buscar mudanças para o Estado, chamado por ele de “capitania hereditária”.

“O Ceará não é republiqueta bolivariana. É um grande estado. Está na hora de nós virarmos a chave, e nós vamos contar com os Cavaltante aqui”, reforçou. Fellipe corroborou: “Uma nova história do Ceará começa aqui”. 

Apesar do cenário pouco confortável, Pedro Bezerra diz que ainda vai trabalhar para tentar reverter a mudança. “Não vou me precipitar. Vou caminhar com calma, a gente tem um ano ainda. Do mesmo jeito que essa situação aconteceu de uma dia para o outro, pode até se reverter. A gente nunca sabe o dia de amanhã”. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política