Vacinação contra a Covid-19 de idosos em abrigos de Fortaleza é concluída dentro do prazo

Ao todo, 21 lares foram visitados, conforme o Cronograma de Vacinação da Secretaria Municipal da Saúde (SMS)

Legenda: Idosos relatam sentimento de felicidade e segurança após recebimento da vacina contra a Covid-19
Foto: José Leomar

Desde a última terça-feira (19), idosos inseridos em Instituições de Longa Permanência (ILPIs) começaram a ser imunizados contra a Covid-19. Segundo a Prefeitura de Fortaleza, o processo foi concluído no prazo, no último domingo (25), com 1.390 pessoas vacinadas nestes locais. As informações foram confirmadas nesta terça-feira (26).

Ao todo, 21 lares foram visitados no prazo previsto, conforme o Cronograma de Vacinação. Além dos idosos institucionalizados, profissionais atuantes nos ILPIs também receberam a vacina, conforme informações da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). 

Para a interna da Casa de Nazaré, Maria das Mercês Menezes, 87, ou Dona Mercê Baiana, como gosta de ser chamada, a aplicação da vacina contra a Covid-19 ocorreu ainda na última quinta-feira (21). Após meses marcados por medo e solidão, foi com alegria que a idosa recebeu a primeira dose de imunização contra o novo coronavírus. 

“Eu senti uma emoção muito grande mesmo, bastante. Fazia tempo que vinha pedindo a Deus, e foi uma emoção tão grande que até da perna senti melhora. Eu não senti aquele medo que eu tinha de tirar sangue, até cantei, dancei”, compartilha. 

E, de fato, foi ecoando a melodia de tempos mais felizes que Dona Mercê comemorou o momento esperado desde o início da pandemia. Buscava expressar na voz a gratidão por todos os profissionais de saúde, pesquisadores e governantes que batalharam para garantir a chegada da vacina o mais breve possível. 

“Sinto falta das festas, das minhas colegas que chegavam aqui. Era uma distração boa, mas ainda vou dançar e cantar muito”, finaliza, percebendo a vacina com o prenúncio de dias melhores. 

Legenda: Após meses de cuidado e isolamento, a interna da Casa de Nazaré aguarda com ansiedade o retorno gradual de seu antigo cotidiano
Foto: Arquivo Pessoal

Abraços

Assim como Dona Mercê, o aposentado e residente do Lar Santa Bárbara, João Holanda, 77, também sentiu o impacto das mudanças trazidas pela pandemia. Apesar de perceber a si mesmo como alguém com facilidade para se adaptar aos novos locais que habita, vê que nada é capaz de substituir o abraço de filhos e netos. 

Mesmo conversando diariamente com os familiares por telefone, a mente passeia por memórias de confraternizações e alegrias antigas, carregando uma dose de tristeza durante o período de isolamento. Após dez meses sem nenhum contato presencial, João espera compensar o acúmulo de saudade com o encontro que ocorrerá uma vez que todos estiverem imunizados. 

“Fiquei muito feliz por receber a vacina. Tem gente correndo atrás e não consegue. Vou querer abraçar meus netos e filho quando voltar ao normal”, aponta.

Cuidados

Apesar da vacinação dos idosos e o sentimento de maior segurança frente ao coronavírus, as gestoras dos abrigos apontam que continuarão seguindo as medidas de prevenção à Covid-19. “A gente se sente um pouco mais seguro, mas a gente sabe que a primeira dose não é 100%, apenas vai prevenir. Continuamos com os mesmos cuidados”, explica uma das coordenadoras do Lar Santa Bárbara, Cícera Laura Leite. 

Da mesma forma, uma das gestoras da Casa de Nazaré, Irmã Maria Josenira da Silva, filha da caridade de São Vicente de Paulo, explica que seguirão com medidas de prevenção, como a higienização dos ambientes, distanciamento social e o uso de máscaras.  

“Para nós é de grande importância essa vacina, porque considero a vacina como um prolongamento da vida e a gente ficou muito feliz por receber a primeira dose”, diz.

E é pelo desejo de seguir com a tarefa de salvar vidas e garantir a segurança dos idosos e da equipe, que não reduzirão os cuidados. 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza