Uso de máscara será obrigatório em Fortaleza até 2022 por causa de doenças sazonais, diz Sarto

Prefeito da Capital justificou que enfermidades do período chuvoso são transmitidas por gotículas

uso de máscara em Fortaleza
Legenda: Item deve servir para evitar a transmissão por gotículas de enfermidades da quadra invernosa
Foto: Helene Santos

A obrigatoriedade do uso de máscara em Fortaleza poderá ser estendida até o próximo ano devido à presença da Covid-19 ainda na cidade e em função das doenças sazonais, como  Influenza A (H1N1), H3N2 e Influenza B, que acometem mais pessoas durante a quadra invernosa, segundo anunciou na manhã desta quarta-feira (27) o prefeito Sarto Nogueira. 

Em entrevista à Verdinha 810, do Sistema Verdes Mares, o chefe do Executivo municipal afirmou que“a tendência é manter” a exigência do item de proteção em 2022, apesar da desaceleração local dos casos e mortes de Covid-19.

“Aqui no Nordeste a gente tem algumas doenças chamadas sazonais, aquelas doenças que são do período chuvoso, que tem a H1N1. Tudo isso é transmitido por gotículas. Ao falar, você bota milhares [de gotículas] no ar. Eu acho que, nesse momento, a tendência é manter o uso de máscara eu imagino que até 2022, mas aí é uma coisa que vai ser monitorada”, afirmou Sarto.

Lideranças políticas e autoridades sanitárias ainda estão resistentes à flexibilização do uso da máscara. Até agora, apenas o Distrito Federal, que publicou decreto nessa terça-feira (26), e o Rio de Janeiro, que deve oficializar a norma nesta quarta-feira (27), já anunciaram o fim da exigência do item em espaços abertos.

No Ceará, o município de Nova Olinda, na Região do Cariri, chegou a divulgar a dispensa da máscara em locais públicos no último dia 6 de outubro. Contudo, a Prefeitura revogou o decreto no dia seguinte após uma ação do Ministério Público Estadual (MPCE). O órgão advertiu que se a gestão não retrocedesse na decisão, estaria sujeita à adoção "de todas as providências legais cabíveis".

Vacinação

Sobre o impasse na aplicação da segunda dose (D2) da AstraZeneca na Capital, alvo de reclamações do público que atingiu o prazo limite e não teve o nome incluso na lista de agendamento, Sarto Nogueira esclareceu que a situação será normalizada ainda nesta semana. 

O prefeito citou que os atrasos foram provocados por falta de repasse de imunizantes através do Ministério da Saúde.

"Houve o retardo da entrega por parte do ministério. O ministério avisa e libera e entrega para a Secretaria Estadual de Saúde e a Secretaria de Saúde e entrega para o município e ele já vem rotulado. Houve um atraso por parte do ministério e houve um pequeno atraso aqui na entrega", disse.

sarto na verdinha 810
Legenda: Prefeito de Fortaleza esteve no estúdio da Verdinha 810 na manhã desta quarta-feira (27)
Foto: Kléber Dias

Réveillon

Quando questionado a respeito da possibilidade de haver festa pública no Aterro da Praia de Iracema para a chegada de 2022, o prefeito reiterou novamente que em caso de confirmação do evento, o público deverá apresentar o passaporte de vacinação.

"Se houver possibilidade de fazer o réveillon seguro, a primeira coisa que nós temos que fazer é o passaporte vacinal. Não é admissível que pessoas que tenham o livre arbítrio de decidir não se vacinar coloque em risco outra pessoa. Se ela quiser se colocar em risco, beleza, mas não pode é colocar em risco outras pessoas", pontuou. 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza