Na pandemia, 94 mil alunos ficaram sem atividades remotas no CE

Estudo aponta que estudantes pretos, pardos e indígenas são maioria entre os que ficaram sem as lições por falta de internet e de equipamentos.

estudante com livro
Legenda: Sem acesso a tecnologias como smartphones e computadores, alunos precisam estudar sozinhos tendo acesso só aos livros
Foto: Kid Júnior

Quando o aprendizado passou a ser realizado de forma remota por causa da pandemia da Covid-19, antigas marcas da desigualdade social ganharam dimensão entre 94.204 crianças e adolescentes cearenses, de seis a 17 anos, que não tiveram acesso a atividades remotas.

Matriculado em escolas públicas do Ceará, esse contingente não teve acesso a aulas e exercícios no mês de julho, excluindo aqueles de férias, como revelam dados filtrados pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e pela Rede de Pesquisa Solidária, com base no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"Imagina que são estudantes de várias classes sociais que estão numa corrida para chegar numa situação de vida melhor. O fato de você nascer numa família rica já te dá 100 metros de vantagem. Estudar numa escola particular, mais 100 metros. Aí vem a pandemia, e o fato de não ter internet e as políticas de Educação não responderem direito dão metros de vantagens para os mais ricos. É o que a gente chama de desvantagens cumulativas", associa Ian Prates, sociólogo responsável pelo levantamento.

Quando comparado com os outros estados, o Ceará fica em quarto lugar no ranking nacional das localidades em que mais estudantes receberam os materiais didáticos - onde apenas 6,1% ficaram sem este acesso - atrás do Paraná (3,4%), Santa Catarina (3%) e do Mato Grosso do Sul (2,9%). O resultado foi melhor que o de São Paulo (6,2%) e de Rondônia (6,9%), que aparecem na sequência.

Entre os cearenses sem acesso a atividades remotas, contudo, um perfil sofre mais com a desigualdade de acesso à Educação evidenciada em tempos de pandemia: 65.893 estudantes - 69,4% do total -, são alunos pretos, pardos e indígenas. Os alunos de cor branca que não conseguiram acompanhar as lições são 28.311, 30% do número geral.

Os números são proporcionais aos de matrículas nas escolas públicas: são 1.258.947 no Ceará, sendo 907.816 não brancos (72,1%) e 351.131 (27,9%) brancos.

arte

Turmas formadas por alunos de diferentes realidades, acrescenta o sociólogo, reúnem famílias que enfrentam, há anos, a falta do básico. "Uma desigualdade que já existia e que não era tão sentida. A partir do momento que recursos digitais, como o acesso à internet, passam a ser fundamentais para a manutenção das atividades escolares, se torna mais um motor de desigualdades", analisa.

Walyson Moura da Silva, estudante de 15 anos numa escola de Maranguape, está na corrida citada pelo sociólogo e convive com a falta de infraestrutura nos treinos rumo ao ensino superior. "Antes das férias, eu fazia as atividades com o celular emprestado da minha madrasta, e depois, como eu não tinha celular e nem Whatsapp, fiquei desinformado de como seria a volta do terceiro período", lembra.

Sem aparecer virtualmente nas aulas ou entregar as atividades, o aluno foi visitado presencialmente por um dos professores. Desde então, a família se organizou para conseguir disponibilizar um celular, ferramenta dos estudos. "De certa forma, melhorou bastante, porque embora não seja presencial, a gente tem uma relação com os professores online para tirar dúvidas. Claro que têm matérias que são mais complicadas e seria melhor presencial", pondera.

As diferenças estruturais entre escolas públicas e privadas, que conseguem alcançar com maior abrangência seus estudantes durante a pandemia, somam-se à outra desigualdade. "Dos recursos das famílias, pais que são mais escolarizados tendem a acompanhar os resultados dos filhos. Essas famílias compram livros, levam os filhos para bibliotecas, museus, e isso tudo afeta muito como os estudantes se dispõem para o estudo e as atividades escolares", observa Prates.

"Na modalidade de ensino remoto, a gente percebe sim um desinteresse. Há uma dificuldade dos pais a incentivar aos estudos quando você não tem nem mesmo a questão das tecnologias", complementa o professor Jonatan Floriano da Silva, do Departamento de Matemática da Universidade Federal do Ceará (UFC), que trabalha com educação a distância.

O especialista analisa que ainda é preciso avaliar quais serão os prejuízos futuros. "É difícil a gente conseguir dimensionar, mas a curto prazo. São vários os problemas: de convívio social a evitar algumas situações de violências que só são percebidas por causa da escola. É um problema que precisa ser visto. O Governo do Estado tem essa preocupação, mas infelizmente alguns colégios públicos não conseguem ter acesso a essas tecnologias", percebe.

Os dados do levantamento do Cebrap detalham o tempo semanal de dedicação dos estudantes por faixa etária. Os cearenses entre seis e 10 anos dedicaram 12,6h e ficaram atrás apenas dos alunos do Distrito Federal, que investiram 14,5h aos estudos. Entre os de 11 e 14 anos, o tempo médio foi de 13h e, entre os maiores, de 15 a 17 anos, 12,4h semanais.

Mediação pública

Educação, como lembra o sociólogo Ian Prates, deve ser um esforço conjunto da União, dos estados e municípios para a unificação de soluções e metodologias eficientes. "Temos o vazio de coordenação do Governo Federal com relação às medidas, analisa. Procurado, o MEC não respondeu ao questionamento sobre a mediação feita, pelo órgão, entre estados e municípios para diminuir as desigualdades de acesso à Educação até o fechamento desta reportagem.

A Secretaria da Educação de Fortaleza (SME) informou, por nota, que acompanha cada aluno da Rede Municipal. "Vale destacar que a política educacional do município tem como foco o acesso de todos os alunos", acrescenta.

Já a Secretaria da Educação do Estado (Seduc) explicou que, desde o primeiro semestre, o Plano de Atividades Domiciliares norteia o ensino além de aulas por meios digitais, impressos, na rádio e na televisão.

"Neste segundo semestre, também estão programados cursos de formação em Tecnologias Digitais para a Educação, voltados aos professores, com o objetivo de oferecer condições apropriadas ao uso de ferramentas digitais", disse em nota.

Quanto às desigualdades raciais, a Seduc afirma realizar atividades por meio da Coordenadoria da Diversidade e Inclusão Educacional para questões do campo, indígena, quilombola e relações étnica-raciais. "Muitos projetos desenvolvidos por escolas e regionais têm focado na valorização da identidade negra estudantil e na superação do racismo, de modo a garantir que o estudante consiga cada vez mais se ver valorizado nos projetos pedagógicos das escolas", completa.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados


Redação 19 de Outubro de 2020
Redação 18 de Outubro de 2020