Fortaleza alcança 50% da população vacinada contra a Covid-19 após 6 meses do início da imunização

Ao todo, 1.323.672 pessoas já receberam a primeira dose do imunizante contra o coronavírus na capital e 26.392 receberam a dose única

vacina
Legenda: Os cuidados de prevenção contra a Covid-19 devem prosseguir mesmo entre as pessoas imunizadas.
Foto: Camila Lima

Há seis meses do início da campanha de vacinação contra a Covid-19, Fortaleza alcançou 50,25% da população total imunizada com a primeira dose nesta terça-feira (20). Das 2.686.612 pessoas residentes na capital em 2020, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 1.323.672 delas receberam a D1 e 26.392 a dose única.

A informação foi dada pelo prefeito José Sarto, no primeiro dia do Seminário dos Gestores Públicos do Ceará, via transmissão ao vivo. "A primeira dose, a depender do imunizante, dá um percentual bom já [de] até 70% de imunidade e o restante [vem] com o término do ciclo vacinal, que é a segunda dose", afirma.

De acordo com Ana Estela Leite, secretária municipal da saúde, a cidade conta com mais de 110 pontos de vacinação aplicando a D1. Além disso, houve ampliação da faixa etária para aplicação da primeira dose, mesmo sem agendamento: “iniciamos com 60, passamos para 50 e agora estamos com 45 anos”. No entanto, para buscar a imunização, as pessoas precisam residir em Fortaleza e estar previamente cadastradas no Saúde Digital.

Conforme a pesquisadora e infectologista do Hospital São José (HSJ), Melissa Medeiros, “a gente entrou mais tardiamente na corrida [das vacinas], mas eu acho que a gente tá chegando e avançando muito bem. Inclusive, eu acho que a gente precisa realmente parabenizar os esforços que tão sendo feitos”.

Eu acho que a gente avançou muito e entendeu que a nossa melhor estratégia para a proteção da população cearense é realmente avançar na população vacinada”
Melissa Medeiros
Infectologista do HSJ

A médica relata ainda que um dos pontos que dificultou o progresso da vacinação até então foi a compra tardia dos imunizantes. “Os acordos demoraram a chegar, a produção de vacinas em larga escala foi bem retardada no momento em que outros países já estavam avançando muito nisso”.

Os cuidados continuam

Para Mônica Façanha, infectologista e professora da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), apesar do fato ser um marco importante, “ainda não é hora de ficar tranquilo e de achar que tá tudo liberado porque a gente conseguiu fazer 50% com a primeira dose, não é bem assim”.

“A gente precisa chegar a 50% da segunda dose e depois chegar a 70%, 80% da população total vacinada pra gente ficar mais tranquilo, porque, enquanto a gente não tiver isso, a gente vai ter vírus se multiplicando e transmitindo”, continua.

Quanto maior a nossa cobertura, maior nossa chance de controlar a doença. Então é pra comemorar sim, mas não é pra comemorar tirando a máscara, nem fazendo aglomeração, a gente tem que comemorar de outras formas”
Mônica Façanha
Infectologista e professora da UFC

VACINÔMETRO NO CEARÁ | COVID-19

Com a evolução da Campanha, Façanha explica que os casos graves da doença tendem a diminuir, bem como as chances de surgirem novas cepas. “Essa é a nossa grande esperança de que a gente reduza bastante a quantidade de gente infectada e aí a gente tem menos chances de ter vírus com cepas que sejam mais eficientes”.

Segunda dose é necessária

Neste cenário, a professora da UFC reitera que é de extrema importância que as pessoas não deixem de tomar a segunda dose dos imunizantes - exceto a vacina da Janssen que tem dose única -, porque a eficácia deles só é atingida, de fato, quando completado o esquema vacinal.

Quando chegar sua vez, vá se vacinar porque é a nossa chance de voltar a ter uma vida parecida com a que a gente tinha em 2019”
Mônica Façanha
Infectologista e professora da UFC

O tão esperado dia

Este é o caso do estudante Gustavo Castello, 30 anos, que recebeu a primeira dose da vacina Oxford/AstraZeneca, nesta segunda-feira (19), no shopping RioMar Kennedy. “Depois dessa triste espera que a gente viu tanta gente ficando doente e partindo, agora chegou a minha vez de me vacinar”.

Eu fico muito feliz de ter recebido minha dose no meio de uma pandemia que vitimou milhares de pessoas. Uma doença dessa é uma roleta-russa: a gente não sabe se vai ser leve ou se vai evoluir para um quadro fatal”
Gustavo Castello
Estudante

gustavo castello
Legenda: Gustavo Castello sonhava que a vacinação "tivesse chegado muito antes" para todos.
Foto: Arquivo Pessoal

Gustavo expõe que o medo de adquirir a doença era constante não só para si, mas principalmente para a sua família. “Ainda mais eu que moro como minha avó idosa. [Mesmo com a vacina], vou continuar tomando os cuidados necessários recomendados pela ciência... eu acredito na ciência”.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados