Escola pede desculpas por transfobia; família avalia se menina permanece na instituição

A instituição também afirmou que vai apurar o caso e tomar as devidas providências para que Lara tenha sua matrícula assegurada em 2018

Escrito por Redação,

Metro

Um dia após receber a "orientação" da Escola Educar Sesc para não renovar a matrícula para 2018 da filha Lara, 13 anos, a mãe da menina trans, Mara Beatriz ouviu o pedido de desculpas da instituição. A escola se pronunciou publicamente através de nota após o post relatando o episódio de transfobia escrito pela mãe viralizar nas redes sociais. Até o início da tarde desta quarta-feira ( 22), a postagem da mãe da menina tinha mais de 31 mil comentários e cerca de 27 mil compartilhamentos.

>> Escola nega matrícula de menina trans em Fortaleza

Além de pedir desculpas à estudante e sua família, a instituição também afirmou que vai apurar o caso e tomar as devidas providências para que Lara tenha sua matrícula assegurada em 2018. "O Sistema Fecomércio-CE e a Escola Educar Sesc de Ensino Fundamental, em Fortaleza, lamentam profundamente que qualquer atitude, fruto de preconceito ou desconhecimento, tenha causado sofrimento à família da Lara. A direção do Sistema determinou imediata apuração e tomada de providências para o acolhimento da aluna, bem como a adoção de protocolos para que fatos semelhantes não voltem a acontecer.O Sistema Fecomércio-CE é inclusão e educação. Reforçamos que a aluna tem a matrícula assegurada para 2018, como todos os estudantes veteranos da Escola Educar Sesc de Ensino Fundamental.À família, nosso sincero pedido de desculpas", dizia a nota.

>> Confira hotsite Sou Nós

>> Sou Nós: os desafios dos transgêneros no País

Diante do contato, Mara Beatriz diz que ainda não decidiu se vai manter a filha, matriculada desde os 2 anos da instituição de ensino, na escola. Ela também manteve o protesto que acontece na tarde de hoje em frente a Escola Educar Sesc.

"O Sesc me procurou pessoalmente pra se desculpar, mas deixei claro que o ato ia ser mantido, porque toda a comunidade LGBT se sentiu ofendida com isso. Foi um dano moral irreparável que toda a família sofreu. Precisei me expor pra dar visibilidade a isso, e está sendo um desgaste muito grande. Temos recebidos comentários de apoio, mas também de ódio.Já vinha tendo esse desgastes com a escola. Só uma nota dizendo que a matrícula tá garantida não é suficiente", declarou.

Amanhã, a família se reúne com a Defensoria Pública para decidir quais serão os procedimentos legais adotados para o caso. 

Protesto em frente à instituição

Uma manifestação contra a escola foi realizada nesta quarta-feira (22), em frente à instituição, na avenida João Pessoa, no bairro Montese. Os manifestantes presentes chegaram a bloquear parcialmente a via, com cartazes e gritos de protesto.
 
A mãe da estudante Lara, Mara Beatriz, compareceu à manifestação e expressou sua opinião sobre o episódio. "A gente está aqui porque as instituições precisam entender que não é um pedido de desculpas que vai anular a dor que a gente sente", pontuou.
 
No ato, Mara Beatriz voltou a afirmar que ainda não foi decidido se a estudante será retirada da escola. "Eles garantiram a matrícula para 2018, mas a gente entende que é necessário muito mais que garantir a matrícula. É necessário garantir um ambiente acolhedor, que seja favorável para o aluno se desenvolver como cidadão", acrescentou.
 
Patrícia de Albuquerque, mãe de uma outra aluna da escola Educar Sesc, ressaltou a importância do ato. "A manifestação tem que ser feita, porque a escola é feita para incluir. Se a gente não começa a educar o respeito e a diversidade dentro das escolas, onde mais vai ser?", questionou.