Dia Nacional da Doação de Órgãos e Tecidos é celebrado com ato na Praia de Iracema

Até o último mês de agosto, 904 transplantes foram realizados no Ceará

Escrito por Redação, metro@svm.com.br

Metro
Dia Nacional de Doação de Órgãos
Legenda: Ato foi realizado na manhã desta segunda-feira (27), na Praia de Iracema
Foto: Fotos: Fabiane de Paula

A Associação Cearense dos Pacientes Hepáticos e Transplantados (Acephet) realizou, nesta segunda-feira (27), um ato na Praia de Iracema em celebração ao Dia Nacional da Doação de Órgãos e Tecidos. 

Segundo a vice-presidente da Acephet, Suzana Nascimento, o evento comemorou ainda os 18 anos de atuação da entidade e um total de 2.014 transplantes de fígado realizados no Ceará neste período, o que deu "vida nova" aos pacientes submetidos ao procedimento cirúrgico.

"É dia de celebrar a vida dos que tiveram a oportunidade de receber um órgão. É dia de gratidão aos doadores porque eles nos fazem mais que vencedores", ressalta Suzana.

Transplantes

No Ceará, conforme a Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), de janeiro a agosto deste ano, foram feitos 904 transplantes de órgãos e tecidos. A maior parte de córnea (587), de fígado (109) e de rim de doador falecido (107). 

O número já é 80,5% do total de transplantes feitos em todo o ano passado (1.122).  

Vidas salvas

O transplante de órgãos (coração, fígado, pâncreas, pulmão e rim) e tecidos (medula óssea, ossos, córneas e outros) pode salvar a "vida não só de uma pessoa, mas de uma família inteira".

Dia Nacional de Doação de Órgãos
Legenda: Transplantados ressaltaram importância da doação de órgãos
Foto: Fabiane de Paula

Para ser um doador, Suzana explica que o processo não é burocrático. É necessário apenas informar a família sobre a decisão, já que são os parentes que autorizam a doação em caso de morte.

"É muito fácil ser um doador. Basta falar com seus familiares e conscientizá-los de que quando você fizer a sua partida, quando falecer, quer que todos os seus órgãos sejam doados", esclarece.

Por outro lado, há órgãos e tecidos que podem ser doados ainda em vida, como rins e medula óssea. Nesta última, os doares precisam apenas ter entre 18 e 55 anos, estar saudáveis e não ter tido câncer. O Hemoce coleta 5 ml de sangue do braço para avaliar a compatibilidade.