Dia de Finados tem menor movimentação em cemitérios de Fortaleza e Região Metropolitana

Familiares adotaram cuidados para prestar homenagens aos entes que partiram.

Escrito por Redação,

Metro
Legenda: No Parque da Paz, o fluxo de visitantes foi pequeno durante a manhã.
Foto: Wânyffer Monteiro

Quem pode explicar o que é a saudade? Talvez o ponto comum seja dizer que falta um pedaço de si que está no outro ausente - uns momentaneamente, alguns para sempre. Neste dia 2 de novembro, Dia de Finados, os familiares, amigos e amores que partiram se fizeram presentes nas lembranças de quem buscou realizar uma homenagem na data. No entanto, o fluxo nos cemitérios foi menor porque muitos preferiram evitar a exposição ao agente infeccioso.

Só no Cemitério Parque Bom Jardim, único público da Capital que ainda recebe sepultamentos, houve uma queda de 75%. Em anos anteriores, a média apenas do dia 2 de novembro era de 40 mil pessoas. No entanto, neste ano, somando a visitação desde a manhã de sábado (31) até meio-dia desta segunda, a Prefeitura de Fortaleza estima visitação de 10 mil pessoas.

A autônoma Luciliana Nobre foi ao Parque da Paz “visitar minha vida”, como ela chama pai, mãe e avós. “Ainda pensei em não vir, mas acho que eles merecem esse sacrifício. Eles intercedem pela gente. Passa um filme na minha mente de tudo que passei com eles”, revela. Ela disse se sentir segura por não ter aglomerações e por todos terem a temperatura medida na entrada.

“Se eu não viesse ia me sentir culpada”, diz a aposentada Conceição Sousa Santiago, de 89 anos, que decidiu visitar o túmulo do marido e da irmã mesmo fazendo parte do grupo de risco para complicações da doença. “A gente sente muita saudade. A visita é sagrada, é um compromisso espiritual”, diz, usando máscara e apoiada em um andador ortopédico. 

Legenda: Conceição Santiago, 89, disse que ficar em casa nem foi uma opção.
Foto: Wânyffer Monteiro

Orações

O militar aposentado Domiciano Rodrigues também iniciou suas visitar por lá. “Todo dia de finados eu venho visitar minha ex-esposa. Isso é tradição do católico, então vou fazer isso até quando eu puder”, garante ele, que notou diminuição no trânsito a caminho do local, apenas o primeiro antes de visitar outros entes que partiram. 

A própria Igreja Católica permitiu a extensão das indulgências plenárias destinadas aos falecidos, ou seja, orações que suplicam o perdão de todos os pecados, até o dia 8 de novembro. Ou seja, os mesmos benefícios valem por mais tempo para que os visitantes possam comparecer a templos e cemitérios em outras ocasiões, diminuindo a probabilidade de aglomerações.

Legenda: Temperatura dos visitantes era aferida logo à entrada dos equipamentos.
Foto: Wânyffer Monteiro

Antecipação

Quem também tomou providências foi a Prefeitura de Fortaleza. Nos cemitérios públicos da Capital, a visitação foi aberta desde sábado (31) para evitar aglomerações nesta segunda. A operação inclui a distribuição de panfletos informativos, máscaras de tecido destinadas a quem estiver sem o equipamento e álcool em gel. 

Ronaldo Nogueira, secretário da Regional V, notou que o Cemitério Parque Bom Jardim teve queda no movimento. “Pedimos às pessoas que, se puder ficar em casa, visite seu ente querido em outro momento. Se vier, vai ser rápido, sem missa ou culto ecumênico, sem ambulantes e passando pelo medidor de temperatura, para ter uma permanência em menor tempo e com mais segurança”, destaca.

Legenda: Missas e celebrações ecumênicas não foram realizadas.
Foto: Wânyffer Monteiro

Nas rodovias estaduais, a fiscalização da Polícia Rodoviária Estadual (BPRE) foi reforçada a partir do meio-dia, quando o fluxo de veículos foi intensificado pelo retorno do litoral e do interior do Estado. Segundo o tenente Marcos Lima, a operação iniciou 18h de sexta e segue até 20h de hoje, com agentes em 28 pontos fixos.

Assuntos Relacionados