De seringa a computador, plano prevê R$ 7,5 mi para vacinação no Ceará; valor não inclui as doses

Os valores foram descritos no "Plano Estadual de Contingência contra a Doença pelo Coronavírus (Covid-19)". São estimadas mais de 4,4 milhões de doses para o grupo prioritário. O montante não inclui a compra da vacina.

Para viabilizar a oferta da vacinação contra a Covid-19 do grupo prioritário no Ceará, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) estima que serão gastos mais de R$ 7,5 milhões. O montante não inclui exatamente as doses para imunização, mas sim, a compra de seringas, câmaras refrigeradas, computadores, equipamentos para os Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), dentre outros insumos.

Os valores discriminados constam na nova versão do Plano de Contingência de combate à pandemia no Ceará, divulgado nesta quarta-feira (9), pela Secretária de Saúde do Estado. Conforme expresso no documento, o grupo prioritário no Estado tem população estimada em 1.794.076 pessoas.

O valor, no entanto, não contempla outros itens, como a reforma e ampliação da Rede de Frios. Dos R$ 7.542.300 estimados, o Governo do Estado vai custear R$ 1.569.816,50 referentes à compra das seringas. O restante será repassado via portaria de investimento do Governo Federal. 

Leia também:

> Compra de vacinas por estados pode afetar processo de imunização

> Ceará negocia com Butantan compra de vacinas contra a Covid-19

Para imunizar esse quantitativo, serão necessários, por exemplo, 4.485.190 de seringas - suficientes para contemplar as duas doses da vacina e "considerando a perda padrão de 25% definida pelo Ministério da Saúde.

Segunda onda

O "Plano Estadual de Contingência contra a Doença pelo Coronavírus (Covid-19)" elenca recomendações técnicas para o enfrentamento de uma possível segunda onda no Estado. No plano, há um resumo das ações executadas pela gestão da saúde desde o início da crise sanitária, e também orientações aos profissionais da saúde e à população sobre como proceder no atual momento e nos próximos períodos. 

Na prática, o documento orienta como devem proceder a vigilância epidemiológica, sanitária, laboratorial e a imunização, atenção primária à saúde e as ações de comunicação e divulgação. 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza