Clientes reservam vacina contra H1N1 em clínicas particulares um mês antes da chegada de doses no CE

Vacinação contra H1N1 pode desafogar serviços de saúde e aumentar agilidade em diagnóstico da Covid-19 no Estado, aponta pediatra

Legenda: Anualmente, a enfermeira Paula Xenofonte, 31 anos, leva seu filho Júlio Neto, de 4 anos, para receber a imunização contra H1N1
Foto: Arquivo pessoal

Enquanto muitos aguardam com ansiedade a chegada de mais vacinas contra Covid-19, a preocupação com outras doenças permanece e alerta os cearenses para atualização do calendário de imunização. A gripe H1N1, por exemplo, já tem gerado reservas em clínicas particulares de Fortaleza e de outras cidades do Estado, desde o fim de fevereiro.

Na capital, a Clínica Alberto Lima já apresentou uma procura de aproximadamente 500 pessoas desde a semana passada; na Clínica Dra. Núbia Jacó, o número foi de quase 1.000, enquanto a Clínica Previne Vacinas já registrou cerca de 600 clientes no aguardo para o recebimento das doses. Em todas essas, a previsão é para o fim do próximo mês.

No caso da empresária Janaina Almeida Bezerra, 42, a busca antecipada ocorreu devido ao medo de contaminação da doença, tendo garantido as doses desde a semana passada. O cuidado redobrado se deve ao fato de seu filho Caio, atualmente com 10 anos, ter adquirido H1N1 aos seis meses de idade durante o primeiro surto da doença no Ceará.

“Ele ficou muito mal e, por muito pouco, não morreu. Foi altamente traumático para mim e para a família inteira. Depois que isso aconteceu, todo ano eu vacino não só a minha família, mas todo mundo que temos mais contato, como a secretária e a babá”, detalha. 

Legenda: Após o filho se recuperar da H1N1 aos seis meses de idade, a empresária Janaina Almeida Bezerra, 42 anos, realiza a busca antecipada para garantir a imunização de Caio, 10 anos, e a Melissa, 2 anos
Foto: Arquivo pessoal

Da mesma forma, a enfermeira Paula Xenofonte, 31, também está atenta ao calendário de vacinação. Todo ano acompanha com cuidado as datas para vacinar seu filho, Julio Neto, de 4 anos. Para ela, a ação evita novos surtos da doença, sendo uma responsabilidade coletiva, que contribui não só para a saúde de sua família, como da população como um todo.

“Acho importantíssima a vacinação. A gente está em um momento passando pela vacinação da Covid-19, mas não podemos deixar de lembrar das outras doenças que podem ser evitadas com a vacinação”, conclui.

Prevenção à gripe

Segundo a pediatra e diretora da Clínica Previne Vacinas, Dra. Vanuza Chagas, é preciso estar atento à imunização contra H1N1, apesar de todas as preocupações com a Covid-19. Durante os primeiros meses da pandemia, ainda em 2020, aponta que a queda da busca de vacinação foi sentida no Ceará. “As pessoas estavam com medo de sair de casa, de irem aos serviços de saúde. Ano passado a gente não teve uma vacinação como teve nos anos anteriores”, relata.

Neste ano, apesar do aumento nos números da Covid-19 no Estado, Vanuza percebe que as reservas realizadas já refletem uma nova preocupação em manter o cartão de vacinação em dia.

“Os sintomas da gripe podem coincidir com os do coronavírus. Se posso me precaver, já que a vacina da Covid-19 vai demorar a chegar em toda a população, é importante que eu me proteja de uma doença que causa sintomas parecidos. Então, é importante até para desafogar os serviços e dar agilidade nos diagnósticos”, explica. 

O recebimento da vacina contra Covid-19 não impede a imunização contra outras doenças. No entanto, a pediatra ressalta apenas a necessidade de respeitar o intervalo de 14 dias entre as imunizações. 

Vacinação no Interior

As reservas para a vacina da Influenza, que inclui a H1N1, H3N2 e duas cepas influenza B, também foram iniciadas nas cidades do interior. No caso da Imunne Clínica de Vacinação, a busca foi registrada nas três unidades da empresa, localizadas nos municípios de Icó, Iguatu e até em Cajazeiras, cidade da Paraíba. Conforme aponta, a previsão de chegada é para a 2ª quinzena de março. 

“Essa vacina, pela sua grande importância para a vacinação de toda a população, sempre tem procura aumentada, lista de espera e muitas vezes filas para vacinação. Já estamos com a lista de reservas da vacina quase esgotadas”, aponta a enfermeira e responsável técnica das unidades, Carolinne Torres. 

A clínica é responsável por atender não só a população de seus municípios, como também a demanda de cidades vizinhas

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza