Cidades do Ceará podem iniciar vacinação com dose de reforço a partir de sexta-feira (24)

A Sesa separou 32, 6 mil doses da Pfizer e serão distribuídas aos municípios. Fortaleza já começou, no dia 8 de setembro, a imunizar os idosos institucionalizados e sábado (25) deve iniciar o público geral acima de 70 anos

Idosa sendo vacinada contra a Covid-19
Legenda: A imunização com a dose de reforço ocorrerá em ordem decrescente até chegar aos 70 anos.
Foto: Camila Lima

O início da aplicação da dose de reforço da vacina contra a Covid na população que já está imunizada no Ceará pode começar a ocorrer nos 184 municípios a partir de sexta-feira (24) , conforme orienta a nota técnica da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) divulgada nesta quinta-feira (23).

No Estado, Fortaleza já começou, no dia 8 de setembro, a imunizar os idosos institucionalizados que tinham recebido as duas doses há mais de seis meses e, no próximo sábado (25) deve aplicar a dose de reforço em mais de 27 mil idosos acima de 70 anos.

De acordo com a nota da Sesa, “as doses destinadas para tal finalidade foram enviadas pelo Ministério da Saúde a partir do dia 20 de setembro”. Conforme consta no vacinômetro estadual, para esta finalidade, a Sesa já separou 32.643 doses da vacina da Pfizer que chegaram no último dia 19 e devem ser repassadas aos municípios.  

Quem deve tomar?

A orientação do Ministério da Saúde,  é que pessoas com mais de 70 anos e os imunossuprimidos recebam a dose extra. No primeiro caso a nova aplicação deve ocorrer seis meses após a dose única da Janssen ou a segunda dose de Coronavac, AstraZeneca e Pfizer. No segundo caso, a dose adicional é aplicada 28 dias após o recebimento da dose única ou da D2 de qualquer uma das vacinas. 

"Observa-se que a população idosa, em especial acima de 70 anos de idade, mostra-se como parcela da população com maiores taxas de incidência e letalidade (da Covid), ressaltando a elevada vulnerabilidade dessa população, mesmo após a completude do esquema primário de imunização, em decorrência da imunocenescência que acompanha os ciclos de vida".
Nota técnica da Sesa

O documento diz também que no grupo das pessoas com alto grau de imunocomprometimento, "dados de imunogenicidade de indivíduos vacinados têm demonstrado menores taxas de soroconversão e titulação de anticorpos neutralizantes contra a Covid-19".

Por que é preciso a dose adicional?

Como esses indivíduos, conforme as evidências científicas registradas até o momento, têm maiores riscos de complicações e óbitos pela Covid-19 e apresentaram menor proteção com o esquema padrão de vacinação, ambos os grupos devem ser contemplados com a dose adicional, segundo a nota da Sesa. 

Além disso, o reforço é recomendado, sobretudo, diante do cenário de surgimento de novas variantes do coronavírus.

Quem são os imunossuprimidos contemplados com a dose adicional? 

  • Pessoas com imunodeficiência primária grave.
  • Quimioterapia para câncer. 
  • Transplantados de órgão sólido ou de células tronco hematopoiéticas (TCTH) uso de drogas imunossupressoras. 
  • Pessoas vivendo com HIV/AIDS. 
  • Uso de corticóides em doses ≥20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por ≥14 dias. 
  • Uso de drogas modificadoras da resposta imune (vide tabela 1). 
  • Auto inflamatórias, doenças intestinais inflamatórias. 
  • Pacientes em hemodiálise. IX - Pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas. 

Outros grupos irão receber a dose de reforço?

A nota da Sesa também indica com o avanço da vacinação nas demais faixas etárias, a depender da evolução da epidemia no país e do surgimento de novas evidências científicas, a administração de doses adicionais pode ser também considerada para outros grupos

Idosos institucionalizados

No Ceará, a vacinação dos idosos institucionalizados com a aplicação da primeira dose teve início em janeiro. Em agosto, quando o Ministério anunciou a orientação para a dose de reforço, as gestões municipais passaram a aguardar o envio de doses específicas para esta finalidade, para que então, esta nova etapa da campanha pudesse começar. 

Contudo, algumas cidades - como Fortaleza - optaram por acelerar o processo utilizando doses do estoque. Na Capital, até o momento, conforme balanço divulgado, na quarta-feira (22), pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), 679 idosos que vivem em Instituições de Longa Permanência (ILPis) já receberam a dose extra. Isso porque, conforme o requisito, eles tomaram a segunda dose há mais de 6 meses. 

Veja a lista de agendados em Fortaleza

Para este sábado, a SMS agendou 27 mil idosos. Estes precisam consultar as listas de vacinação antes de ir aos pontos em busca do imunizante. 

A titular da SMS, Ana Estela Leite explicou na manhã desta quinta-feira (23) que "caso o idoso agendado esteja restrito ao leito, a família precisa levar a informação para o posto de saúde da área onde o idoso reside, para que possamos providenciar outra forma de acesso à vacina". 

Já no caso dos imunosuprimidos, segundo ela, SMS e Sesa ainda estão alinhando como será essa vacinação, pois tanto ainda aguardam doses enviadas pelo Ministério da Saúde e como é necessário definir os critérios de comprovação. "Nem todos os imunosuprimidos vacinados se enquadram nesses critérios (os de aplicação da dose adicional), pois são critérios bem mais restritivos". 

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza