53 cidades do Ceará têm nível de alerta alto ou altíssimo para incidência da Covid-19

Indicador considera aumento do número de casos diários, de internações, de testes positivos, de mortes e de leitos de UTI ocupados entre 15 e 28 de novembro

Legenda: Crescimento taxa de positividade de exames RT-PCR é levada em conta no cálculo dos níveis de risco
Foto: José Leomar

O monitoramento da presença do novo coronavírus no Ceará tem mostrado risco “alto” ou “altíssimo” de incidência da Covid-19 em pelo menos 53 municípios, incluindo Fortaleza. Outras 94 cidades aparecem com risco “moderado”. Os indicadores consideram o aumento de casos diários, de internações, de testes positivos, de mortes e de leitos de UTI ocupados entre 15 e 28 de novembro. As informações são do IntegraSUS, da Secretaria da Saúde (Sesa), extraídas às 9h30 desta quinta-feira (3). 

Os níveis de alerta são divididos de 1 a 4, em que 1 é o “novo normal”, 2 é “moderado”, 3 é “alto” e 4 é “altíssimo”.

De acordo com a plataforma, o Ceará registrou, nas últimas duas semanas epidemiológicas (47 e 48), 137 novos casos diários da doença pandêmica a cada 100 mil habitantes, nível de alerta “moderado” e com tendência de queda.

>>Covid-19: confirmando 4 a cada 10 testes, Ceará atinge a maior taxa de positividade desde junho

>>No Ceará, 7 a cada 10 idosos mantêm medidas de isolamento social

>>Ceará contabiliza 9.638 mortes e mais de 301 mil casos de infecção por Covid-19

>>Um a cada dez cearenses adotou isolamento rígido em outubro, aponta IBGE

>>Hospital de Campanha do HGF volta a receber pacientes com Covid em Fortaleza

As internações por doenças respiratórias (66 casos), assim como o percentual de leitos de UTI-Covid ocupados (59,7%) e a taxa de letalidade por Covid-19 (0,4%) também têm tendência "decrescente" nas duas últimas semanas, conforme o painel da Sesa. Nesses indicadores, o nível de alerta é classificado como “baixo”.

Por outro lado, a taxa de positividade dos exames RT-PCR apresenta alerta “alto”: 62,7% dos testes tiveram resultado positivo para infecção, percentual que mostrou tendência de crescimento entre 15 e 28 de novembro. 

A Sesa explica que um indicador está “crescendo” quando há aumento do valor superior a 15% entre as duas últimas semanas epidemiológicas; “decrescendo” quando há redução do valor superior a 15% no período; e “estabilizando” quando apresenta “quaisquer outras situações”.

Cidades

Em relação aos municípios, apenas 34 aparecem com nível 1 de alerta, ou seja, indicadores considerados baixos. Entre eles, estão as cidades de Paracuru, Pacoti, São Luís do Curu e Granjeiro. Algumas das cidades, entretanto, têm tendência de aumento ou estabilidade na incidência de casos.

Legenda: Cidades em verde: risco 1, novo normal / Amarelo: risco 2, moderado / Laranja: risco 3, alto / Vermelho: risco 4, altíssimo
Foto: Reprodução/Integra SUS

Outras 97 localidades, como Itapipoca, Canindé, Quixadá, Crato e Juazeiro do Norte acenderam alerta “moderado”, nas semanas 47 e 48. Isso significa que o cenário da doença nesses municípios mostrou piora e requer atenção. 

O risco “alto” foi identificado em Fortaleza e outras 32 cidades cearenses, como Boa Viagem, Brejo Santo e Aracati. Nelas, a taxa de positividade dos testes, por exemplo, está entre 50% e 75%; e a ocupação de leitos de UTI, entre 80,1% e 95%. 

Em alerta máximo, “altíssimo”, estão as demais 21 cidades do Ceará, como Sobral, Aquiraz, Cedro e Milagres. Por lá, cerca de 75% dos exames RT-PCR têm dado positivo para infecção pelo novo coronavírus, a taxa de letalidade pela doença está acima de 3% e mais de 95% dos leitos de UTI estão ocupados.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza