Fortaleza: meta é melhorar e ir além do desempenho de 2019

Tricolor do Pici carrega a sombra da temporada perfeita, com títulos e vaga na Copa Sul-Americana, e deve administrar pressão na Série A do Campeonato Brasileiro deste ano com mais cautela

Legenda: Rogério Ceni comanda o Fortaleza há três temporadas
Foto: Kid Junior

O Fortaleza Esporte Clube vive um dos melhores momentos da sua história centenária. Na ascensão recente, o Leão assumiu o posto de protagonista e chega à nova fase de disputas precisando de resultado. Contexto que traz maior pressão ao time no início da Série A do Campeonato Brasileiro 2020, o roteiro exige cuidado e humildade.

>Veja tabela detalhada da Série A 2020

"O campeonato vai ser difícil, e o fato de não ter torcida pesa para o Fortaleza. Em função do investimento, por mais que tenhamos ficado em 9º lugar no ano passado, temos que ter a compreensão de brigar para permanecer na 1ª divisão", aponta o presidente Marcelo Paz.

Recado cirúrgico para reduzir qualquer expectativa. A quase participação na Copa Libertadores, por três pontos, não reflete mais o presente. A lição da diretoria tricolor é de conseguir respeito com trabalho, esforço e organização, pois a própria manutenção na elite é passo de grandeza.

Agora, desacostumar o torcedor é difícil, requer compreensão mútua do contexto. O time chega na temporada mais visado, com o padrão tático estudado pelos adversários. Paralelo ao ganho de seguir com o mesmo elenco vem a necessidade de se reinventar para fugir do previsível.

Com uma semana inteira de treinos antes da abertura do Brasileiro, o revés no Nordestão precisa encontrar espaço na compreensão de mérito adversário: foi dominado e perdeu. Assimilar, corrigir os erros e virar a chave para o principal desafio da jornada são os únicos caminhos.

Confira o podcast do Fortaleza

Powered by RedCircle

Ataque e velocidade

A sequência de Rogério Ceni no Fortaleza é reforço. Na verdade, faz tempo que o treinador é o principal nome do elenco: usa peças com precisão. As três temporadas do treinador deixam a certeza de um plantel ciente das tarefas com a bola. Jogar com quatro atacantes é real.

Tudo porque há uma metodologia bem definida. A armação começa da defesa, com zagueiros e o goleiro. No meio-campo, volantes construtores para marcar e também conduzir a bola ao ataque, além de extremos de velocidade e forte drible.

As características são exigências da postura agressiva, e os ajustes ficam na reposição diante da maratona de jogos. A última contratação foi o atacante argentino Franco Fragapane, por empréstimo junto ao Talleres/ARG. Dos recém-chegados, Orobó e Yuri César são apostas para o Brasileirão.

O potencial tricolor é grande. Com 33 atletas na equipe principal, a análise do mercado permanece ativa, cautelosa, para manter o nível. Em 2020, com 20 partidas, soma 70% de aproveitamento com 13 vitórias, três empates e quatro derrotas, além de 36 gols feitos e 12 sofridos.

Em casa

O Fortaleza estreia na Série A contra o Athletico/PR, no sábado (8), às 19 horas, na Arena Castelão. Em 2019, no mesmo estádio, o time venceu o Furacão por 2 a 1. Com todo o elenco à disposição, Ceni deve optar por Felipe Alves; Quintero, Paulão, Tinga e Bruno Melo; Juninho e Felipe, Osvaldo e David; Romarinho e Wellington Paulista.

Como atuou no meio da semana contra o Coritiba, sagrando-se campeão paranaense, a equipe de Dorival Júnior tem tempo de recuperação mais reduzido. Sem vantagem, aspecto sugere um Leão melhor na parte física e disposto a atacar.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de esporte?