Uso de máscara deixará de ser obrigatório "em breve", diz Marcelo Queiroga

O ministro da Saúde criticou ainda as leis que exigem o uso do equipamento de proteção contra a Covid-19

jair bolsonaro e marcelo queiroga
Legenda: Após a fala do ministro, Bolsonaro disse que a portaria de desobrigação está sendo editada
Foto: Myke Sena/Ministério da Saúde

Em transmissão ao vivo nas redes sociais, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nessa quinta-feira (16) que haverá, "em breve", a desobrigação do uso de máscaras no País "à medida que o cenário epidemiológico melhore". O presidente Jair Bolsonaro reforçou que a portaria deve ser editada "brevemente".

"Em breve, nós teremos essa desobrigação de usar máscaras. Quem quer usar máscaras, usa. Mas essa mania de querer criar lei para tudo... Daqui a pouco tem uma lei para obrigar as crianças irem para a escola vacinadas. Não precisa de vacina para ir para a escola", disse Queiroga ao lado do presidente. 



Em um novo ataque às vacinas, Bolsonaro declarou ainda que ele, sem se vacinar, está com mais imunidade do que quem tomou Coronavac. "Não tem comprovação científica", atestou Bolsonaro, disparando críticas ao prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), que resolveu obrigar servidores públicos a se vacinarem. "Quem tomou Coronavac, complicou." A Anvisa, contudo, concedeu autorização de uso emergencial para a Coronavac.

Queiroga ainda garantiu que não faltarão doses de vacinas para a população brasileira. No entanto, foi registrado nos últimos dias um "apagão" de imunizantes da AstraZeneca, o que levou Estados como São Paulo a utilizar Pfizer em cidadãos com a segunda dose de Oxford atrasada.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil