Juiz reconhece excesso de prazo e determina soltura de acusado de matar esposa na frente dos filhos

O júri chegou a ser remarcado pela 8ª vez já neste mês. A família da vítima de feminicídio lamenta a decisão

Escrito por Emanoela Campelo de Melo, emanoela.campelo@svm.com.br

Segurança
severo manoel feminicidio
Legenda: Severo Manoel foi preso dias após o crime
Foto: Lorena Tavares

Após oito remarcações da data do julgamento e sem que a sessão ainda tenha acontecido, a Justiça decidiu soltar o padeiro Severo Manoel Dias Neto. A decisão foi proferida no último dia 8 deste mês e o alvará de soltura já cumprido. Severo é acusado de assassinar a ex-esposa, Maria Rosimeire de Santana, na frente dos filhos.

O crime aconteceu em Juazeiro do Norte no ano de 2019. Há mais de um ano, desde o dia 5 de novembro de 2020, o processo se encontra relatado e apto para julgamento. Desde então, por motivos desde a pandemia até falta de alimentação para os jurados, o júri ainda não aconteceu.

A defesa de Severo alegou demora para que o feito atinja o desfeito. O Ministério Público do Ceará (MPCE) foi favorável ao relaxamento da prisão preventiva do acusado pelo feminicídio e considerou que não deve apenas o réu arcar com o prejuízo da morosidade.

A decisão pela soltura foi proferida na 1ª Vara Criminal da Comarca de Juazeiro do Norte. O juiz Gustavo Henrique Cardoso Cavalcante reconheceu o excesso de prazo e considerou ilegal a custódia cautelar do acusado.

"Observa-se que a prisão do acusado já dura quase dois anos e, embora a instrução tenha sido finalizada de forma célere, assim como a prolação da sentença de pronúncia, o fato é que é evidente o excesso de prazo no andamento do feito na segunda fase do procedimento, sem que isso possa ser atribuído ao acusado ou à sua defesa. Tal circunstância reclama de imediato o relaxamento de sua prisão"
Juiz

"NOS SENTIMOS UM LIXO COM ESTA DECISÃO"

A família da costureira Maria Rosimeire não concorda com a soltura. Para Roseane Santana, irmã da vítima, a notícia traz aos parentes decepção e sensação de injustiça. "Nós da família é que agora vamos estar presos, porque tememos o que ele possa fazer. Ainda dizem que ele não oferece risco à sociedade, então nós não fazemos parte da sociedade?", questiona.

Roseane ainda afirma que resta aos familiares "confiar na Justiça divina". Segundo ela, nos últimos dias, sua mãe ainda ouviu de pessoas ligadas ao acusado que "Rosimeire só morreu porque estava valente demais".

irma vitima feminicidio
Legenda: Roseane Santana, irmã da vítima, diz estar decepcionada com a decisão pela soltura
Foto: Fabiane de Paula

"É muito triste isso, nós nos sentimos um lixo com esta decisão. Ainda dizem que minha irmã estava valente. Mas não foi ela quem pegou em uma arma e matou, foi ele"
Roseane Santana
Irmã da vítima


O CRIME

Consta nos autos que o relacionamento do casal era conturbado e Severo não aceitou o fim. Conforme a denúncia, o réu foi visto horas antes do crime rondando a escola do filho mais novo do casal. A defesa do padeiro nega que o crime aconteceu na frente das crianças.

Severo Manoel Dias Neto já tinha sido preso antes da tragédia porque descumpriu medida protetiva. Populares disseram ter ouvido várias vezes que quando o ex-casal se encontrava o homem mandava Rosimeire ter cuidado porque um dia iria matá-la.