Sobral inicia pesquisa estadual sobre impacto do novo coronavírus

Trabalho de campo envolve coleta de material para teste rápido, exame laboratorial e condições epidemiológicas de 900 pessoas. Antes de Sobral, a pesquisa foi realizada em Fortaleza

Depois de Fortaleza, agora é a vez da cidade de Sobral, polo da região Norte, aplicar uma ação científica que tem por objetivo identificar características de transmissão do coronavírus. O trabalho faz parte da Pesquisa de Soroprevalência da Covid-19 e começa no municípios sobralence nesta quinta-feira (18). Um grupo de 900 pessoas vai participar dos testes rápidos.

 

Além da testagem rápida, os voluntários vão fazer exames de biologia molecular, a partir de secreções coletadas das vias respiratórias (nariz e garganta) por meio do swab (haste de plástico com algodões nas pontas). O resultado do exame sai em 15 minutos. Já a amostra do exame de biologia molecular será encaminhada para análise no Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (Lacen), da rede estadual.

Além da coleta de material para exame, será aplicado um questionário epidemiológico e social com informações sobre sexo, idade, escolaridade, condições de saúde e possíveis sintomas que o morador tenha sentido recentemente.

A Sesa ressalta que a pesquisa vai definir nos municípios cearenses a taxa de letalidade da doença, identificar a quantidade de pessoas que tiveram contato com o vírus e desenvolveram anticorpos, além de estimar o número de pessoas assintomáticas, ou seja, aquelas que não apresentam sintomas de Covid-19.

O estudo de campo é uma iniciativa da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) e da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec). A realização é de responsabilidade da Prefeitura de Sobral e do Instituto Opnus.

Mapeamento

Para a secretária executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, Magda Almeida, a pesquisa é fundamental para avaliar a real incidência da Covid-19 no Estado. “Iremos verificar, por exemplo, quantas pessoas já têm imunidade contra o vírus”, explicou.

Um total de 15 enfermeiros e igual número de dentistas foi capacitado por técnicos do Hospital Dr. Estevam (HDE) e da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).  Os profissionais vão trabalhar na testagem da população. Outros dez supervisores do Instituto Opnus, responsável pela pesquisa, também receberam capacitação. O levantamento terá ainda o suporte de 416 agentes de saúde do Município.  

Marcos Aguiar Ribeiro é o coordenador de Vigilância do Sistema de Saúde da Secretaria de Saúde de Sobral e explica que os agentes irão trabalhar na área dos domicílios selecionados para o estudo. “A pesquisa é articulada com os territórios da Estratégia Saúde da Família”, pontuou. “As equipes têm vínculo estabelecido com as famílias e conhecem com densidade esses territórios”.

O critério de seleção dos bairros, que vão receber a pesquisa, é feito por meio de cálculo de amostragem aleatória pelo Instituto Opnus. As residências serão selecionadas sistematicamente e o morador, escolhido por sorteio.

“No caso dos menores de idade e incapazes, os testes serão feitos mediante autorização dos pais ou responsável”, frisa Ribeiro.

Para evitar problemas e desconfiança por parte da população, conforme ocorreu com a pesquisa contratada pelo Ibope Inteligência, em Sobral e em outros municípios brasileiros, os pesquisadores usarão crachá de identificação e entregarão aos participantes um termo de consentimento.

Outra medida de reforço de segurança refere-se ao uso por parte dos pesquisadores de equipamentos de proteção individual (EPIs), além de adotar protocolos recomentados pelos órgãos de saúde. A Sesa ainda não divulgou quais serão os próximos municípios a receberem a pesquisa sobre os impactos do coronavírus.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará