Maciço do Baturité recebe primeiro Hospital de campanha para Covid

A unidade de saúde foi instalada no município de Acarape e conta com dez leitos clínicos de enfermaria e de observação

Legenda: O hospital custou R$ 75 mil e vai ficar com estrutura montada por três meses
Foto: Divulgação

A cidade de Acarape, localizada na Região do Maciço de Baturité, inaugurou hospital com dez leitos clínicos de enfermaria e de observação. Esta é a primeira unidade de campanha instalada na Região. A instalação foi orçada em R$ 75 mil e a estrutura vai ficar montada por três meses. 

O atendimento do hospital de campanha é exclusivo para pacientes acometidos pela Covid-19 ou por síndrome aguda respiratória. Uma equipe de 30 profissionais especializados e capacitados trabalha no atendimento à população. "É uma estrutura móvel e funciona como uma extensão do hospital municipal”, explicou o prefeito Franklin Veríssimo Oliveira.

>>Média de internação em unidades de saúde do Ceará é de cerca de uma semana, aponta boletim da Sesa

Nos primeiros dias o hospital recebeu nove pacientes, o que representou taxa de ocupação de 90%. Entretanto, nesta quinta-feira (4), caiu para 40%, após alta de cinco pessoas, connforme pontuou a secretária de Saúde do Município, Nathalie Milhome.

Antes do hospital de campanha, os pacientes eram atendidos no hospital municipal João Oliveira, que oferecia uma ala com 12 leitos. A unidade deve agora ficar voltada para atendimento de pessoas com outras doenças.  

“A nossa ideia é descentralizar a assistência hospitalar, que recebe os casos mais complicados”, pontuou o gestor municipal. “A atenção básica também foi reforçada por meio das unidades de Saúde nas localidades rurais e nos bairros”, acrescentou Franklin.

Legenda: A unidade conta com dez leitos dedicados a pacientes com a Covid-19
Foto: Divulgação

Dificuldade

Apesar do ganho com a instalação do hospital de campanha, o prefeito do Município explica que tem encontrado dificuldades para manter o quadro de médicos plantonistas. “Os médicos cancelam plantão na véspera ou mesmo no dia e isso nos traz dificuldades em encontrar profissional para repor”, disse. 

Segundo ele, a parte financeira pode ser um empecilho. O gestor explicou que "Fortaleza e outros municípios maiores pagam por um plantão de 24 horas valores superiores, mas só temos condições de oferecer três mil reais”, disse. Apesar disso, ele garante que o funcionamento da unidade não foi afetada.