Focos de incêndios propagam-se e deixam danos no interior do Ceará

Fatores ambientais somados à ação humana, muitas vezes criminosa, fizeram a quantidade de queimadas disparar no Estado. Em 2019, já foram registrados 586 focos em todo o Ceará; 45 só no último domingo (15)

Legenda: De acordo com o Corpo de Bombeiros do Estado, a maioria dos incêndios tem ação humana
Foto: Foto: Carlos Marlon

A quantidade de focos de incêndios, no Ceará, não para de crescer. Dos 586 já registrados em todo o ano de 2019, houve 45 queimadas somente no último domingo (15), de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O registro foi o maior em um único dia, em setembro deste ano. Os estragos são severos e não se limitam ao dia do incêndio. Uma área nativa queimada pode levar de dez a 20 anos para ser recuperada.

O período depende da espécie e densidade da área afetada. "O fogo destrói a vida na superfície do solo, elimina os micro-organismos, deixa a terra estéril", observa o ambientalista e agrônomo, Paulo Ferreira Maciel. "A repetição desse problema, a cada ano, exaure o solo, cria manchas improdutivas e leva ao processo de desertificação", alerta.

O ambientalista mostra-se preocupado com as sucessivas queimadas que ocorrem neste período do ano no Sertão cearense. "O que vemos todos os anos é uma destruição intencional e criminosa. Queima-se a mata nativa e depois planta-se capim e cria-se área de pastagem para criação de gado". Paulo Maciel lembra ainda que o fogo perde o controle e se espalha facilmente, favorecido pelo tempo quente, vento e mata seca.

Potencialidades

A maioria dos incêndios, segundo o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros de Iguatu, Nijair Araújo, tem ação antrópica. "Esses incêndios são criminosos e não são feitos por pequenos agricultores de minifúndio, mas por pecuaristas, criadores", acrescenta Paulo Maciel. A geógrafa e mestranda em Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ana Larissa Ribeiro, discorda ao explicar que "essa prática não é interessante para o agronegócio, para os criadores. Tecnicamente, o setor é pronto para trabalhar com maquinário".

Em uma questão, no entanto, ambos concordam: a ação humana. Larissa reconhece que alguns fatores inerentes a esta época do ano contribuem para o aumento dos focos, como baixa umidade do ar e alto calor, mas é taxativa ao dizer que "a Caatinga não queima por si só", pontuou. "Os fatores ambientais existem, mas o fogo decorre da ação humana", adverte a estudiosa.

Longo tempo

Em sua grande maioria, os focos de incêndio demandam muitas horas para serem debelados. Geralmente, um incêndio em uma mata nativa, conforme Paulo Maciel, dura de seis a 20 dias, uma que vez que há muita matéria orgânica a ser queimada. Em duas localidades distintas do Ceará, o fogo já destrói a vegetação nativa há dias. No município de Cedro, o fogo começou há uma semana e segue causando prejuízos para os produtores rurais.

A região mais atingida é o distrito de Santo Antônio. O secretário de meio ambiente de Cedro, Elleson Barbosa, disse ainda não ter um levantamento da área destruída, tampouco dos prejuízos. "A situação é muito preocupante e o fogo já queimou mais de 12 km em extensão de roça", reforçou.

Em Parambu, no Sertão dos Inhamuns, um grande incêndio teve início na última quinta-feira (12) e apenas, ontem (16), começou a ser contido. Somente em uma fazenda, 80% dos 400 hectares foram destruídos pelo fogo. Vinte homens do Corpo de Bombeiros atuaram para debelar as chamas. Ninguém ficou ferido.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará

Assuntos Relacionados