Em Iguatu, rio Jaguaribe acumula destruição de mais de 2 hectares de mata ciliar e barreiras

Prefeitura diz que há retirada irregular de areia para a construção civil; moradores temem avanço do rio sobre terras produtivas

Rio Jaguaribe
Legenda: Tambiá, na zona rural de Iguatu, é uma das localidades em que o rio Jaguaribe é afetado pela destruição de mata ciliar
Foto: Wandemberg Belém

O rio Jaguaribe, o mais extenso e um dos mais importantes do Ceará, sofre degradação histórica, e uma das áreas afetadas está na zona rural de Iguatu, na região Centro-Sul do Ceará. Uma área de mata ciliar, na margem direita do curso do rio, na localidade de Tambiá, teve mais de dois hectares destruídos. Plantas nativas foram arrancadas pelo tronco. Raízes expostas denunciam o rastro da degradação. 

O levantamento foi divulgado pela Secretaria do Meio Ambiente, Sustentabilidade e Proteção Animal de Iguatu neste fim de semana. De acordo com a Pasta, o objetivo é a extração de areia mais fina do que a encontrada no leito do rio para uso em construção civil (emboço ou reboco de paredes).

De acordo com o gestor da Secretaria, Mário Rodrigues, “duas empresas responsáveis pelo desmatamento e retirada irregular de areia foram autuadas por irregularidades”.

A estratégia usada pelos autores do crime ambiental ocorre nos fins de semana. “Eles aproveitam os dias sem expediente regular e agem no período noturno para fazer a extração irregular de areia”. 

O secretário disse que uma semana antes da destruição da mata nativa visitou a área. “A mata estava de pé, mas agora vemos uma situação triste”, lamentou. “Os responsáveis serão punidos conforme a lei”.

Área devastada

O rio Jaguaribe, no município de Iguatu, tem 46 km de extensão. Apenas 4% dessa área é preservada com mata nativa, segundo levantamento feito pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), campus de Iguatu, em 2020.

O restante da mata ciliar está devastada e sofre degradação diária – recebe dejetos, esgotos, lixo e entulhos, além da extração irregular de areia.

“É uma situação lamentável e que nos preocupa porque a cada ano o problema da degradação só aumenta”, frisou o biólogo e ambientalista, “Precisamos de políticas públicas de educação, medidas concretas devem ser implantadas, assim como maior rigor na fiscalização”.  

Os ribeirinhos e agricultores que vivem e trabalham em áreas agrícolas próximas às margens do rio também demonstram temor com o avanço do rio sobre as terras produtivas. “É uma situação preocupante, a gente depende do rio para ter água para o gado, para irrigar a pastagem”, relatou o agricultor José Tallyson de Souza.

Neste fim de semana, fiscais da secretaria do Meio Ambiente, com apoio da Guarda Municipal, intensificaram a fiscalização no rio. “Eles procuram areia mais fina que tem maior valor de venda e para isso destroem as barreiras com a mata ciliar”, reforçou Mário Rodrigues.

Fiscalização no rio Jaguaribe
Legenda: Agentes da Prefeitura realizaram fiscalização às margens do rio, neste fim de semana
Foto: Wandemberg Belém

Cílios do Jaguaribe

Depois de cinco anos de discussão, os municípios de Iguatu e Quixelô, no Centro Sul cearense, foram escolhidos pela Secretaria dos Recursos Hídricos (SRH) para um trabalho inédito na região de reflorestamento e educação ambiental através do Projeto Cílios do Jaguaribe.

As áreas definidas em Iguatu estão na margem do rio Jaguaribe, no terreno do IFCE – Campus Iguatu e do SAAE. Em Quixelô, será às margens do açude Faé.

O investimento é de R$ 1,2 milhões, oriundo da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf). O Projeto Cílios do Jaguaribe pretende realizar a recuperação de 32 hectares (sendo 20 ha em Iguatu e 12 ha em Quixelô) de áreas degradadas na bacia hidrográfica do Rio Jaguaribe com o plantio e manutenção de mudas nativas.

Outra ação a ser realizada é a retirada de toda areia e entulho que se encontram nos locais demarcados.

De acordo com o secretário executivo dos Recursos Hídricos, Aderilo Alcântara, o Cílios do Jaguaribe é um dos maiores projetos de reflorestamento já implantados.

“Estamos cuidado de um dos rios mais importantes do Estado do Ceará que é o Rio Jaguaribe, isso aumenta a importância do reflorestamento nessas áreas tão degradadas. Escolhemos os locais em que, por estudo, vimos à necessidade da ação”, ressaltou.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará

Assuntos Relacionados