Duas mil pessoas são evacuadas de entorno de barragem em Jati após rompimento na tubulação

Ministro de Desenvolvimento Regional e governador Camilo Santana visitam a cidade para acompanhar a situação. Autoridades analisam se barragem sofreu danos

Tubulação da transposição do Rio São Francisco rompe em Jati, na região do Cariri
Legenda: Tubulação da transposição do Rio São Francisco rompe em Jati, na região do Cariri
Foto: VC Repórter

Duas mil pessoas que moram no entorno da barragem de Jati foram evacuadas da região após rompimento da tubulação na tarde de sexta-feira, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional. O reservatório recebe água da Transposição do Rio São Francisco e a direciona para o Açude Atalho, em Brejo Santo. (Veja o momento do rompimento abaixo)

Conforme o Ministério, após a análise de técnicos, estima-se que a barragem deverá ser estabilizada em até 72 horas. Segundo o ministro Rogério Marinho, uma vez que a estabilidade seja garantida, as famílias que foram orientadas a deixar o local poderão retornar às suas casas.

O governador Camilo Santana visita a área da obra para acompanhar a situação.

Agentes dos Bombeiros e da Defesa Civil foram enviados à area para reforçar as ações.  

Rompimento alerta para antigos problemas na obra da Transposição

A evacuação foi feita com pessoas que moram a até 2 km da barragem, ainda segundo o Ministério. A medida está prevista no Plano de Ação Emergencial (PAE) do empreendimento. Segundo a pasta, o vazamento foi contido, durante a noite, a falta de iluminação dificultou a avaliação técnica. 

"Com o apoio do MDR, essas famílias estão sendo transportadas para hotéis, pousadas e alojamentos na região ou poderão ir para casas de parentes e amigos até que sejam feitas todas as avaliações técnicas das estruturas do reservatório", afirmou o Ministério do Desenvolvimento em nota. Profissionais da Defesa Civil e da empresa operadora eram os responsáveis por informar os moradores.

Entenda o rompimento

A tubulação se rompeu após a abertura de uma comporta da barragem, após a sangria do reservatório. De acordo com o secretário de Recursos Hídricos do Ceará, Francisco Teixeira, o jato d'água causa um pequeno processo erosivo, mas que não aparenta comprometer a estrutura. 

"Na ombreira direita, tem uma tubulação que se inicia em concreto e depois um bloco, onde está a emenda da tubulação em concreto com a tubulação em aço. Então, parece que nessa emenda houve um rompimento, um vazamento da tubulação. Então, esse jato d'água é devido à pressão", explicou o secretário. 

'Susto grande'

O aposentado José Cândido, de 75 anos, mora próximo ao local do rompimento. Ele teve de sair de casa e foi com a família a uma casa, uma estrutura de sapê na zona rural de jati.

"Eu estava em casa [quando ocorreu o rompimento], vi na estrada um monte de carro, um monte de gente correndo. A gente saiu de lá porque a gente tava correndo risco, não confiei de ficar lá. A sorte nossa é ter isso aqui [uma segunda casa], senão tava na rua."

Ele conta que saiu da residência próxima à barragem sem levar móveis ou pertences. "Só deu tempo pegar os documentos", conta.

> "Foi um filme de terror mesmo", diz morador de Jati

Barragem não sofreu danos

O tenente Aílton Lima, do Corpo de Bombeiros, informou na última sexta-feira (21) que a avaliação inicial indica que a barragem não sofreu danos, mas a possibilidade do escorrimento de água afetar a estrutura é investigada. 

A barragem em Jati foi inaugurada na última quinta-feira (20), com a presença do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará