'Que fique restrito ao campo político', diz Chiquinho sobre relação com Tasso após crise no PSDB

Diferenças de estratégias sobre apoios partidários no Ceará gerou impasse entre as lideranças

Escrito por Igor Cavalcante, Felipe Azevedo, igor.cavalcante@svm.com.br

PontoPoder
Chiquinho Feitosa reuniu aliados nesta sexta-feira (5)
Legenda: Chiquinho Feitosa reuniu aliados nesta sexta-feira (5)
Foto: Felipe Azevedo

Um dia após comandar o recuo do PSDB em apoiar a candidatura de Roberto Cláudio (PDT) ao Governo do Ceará, o ex-presidente da sigla no Estado, Chiquinho Feitosa, disse esperar que o senador Tasso Jereissati (PSDB) não leve a divergência para o campo pessoal.

O receio se dá porque o ex-governador anunciou apoio ao PDT no início da semana, mas a orientação não foi seguida na convenção da sigla realizada na última quinta-feira (4). 

Em sinal de maior tensionamento na relação entre Chiquinho e Tasso, uma decisão da direção nacional da federação PSDB/Cidadania determinou a destituição de Chiquinho da função de presidente da sigla no Ceará. Em coletiva de imprensa na tarde desta sexta-feira (5), Chiquinho aguardava notificação oficial sobre a mudança e falou sobre a relação com o senador, do qual é suplente.

“Eu tenho um imenso apreço por ele (Tasso) e eu espero que esse assunto fique restrito ao campo político, que não chegue ao campo pessoal”
Chiquinho Feitosa (PSDB)
Presidente do PSDB Ceará

Entenda o caso

Ao comunicar que o PSDB reforçaria o arco de aliança de Roberto Cláudio, Tasso afirmou que a decisão foi tomada "em coerência com o nosso legado de realizações", por reconhecer no ex-prefeito de Fortaleza "a competência, a experiência administrativa e o compromisso com esses ideais".

Já na última quinta-feira (4), a convenção da sigla com o Cidadania aprovou, na verdade, a posição de neutralidade para o pleito deste ano. Por maioria, o colegiado decidiu que a federação dos partidos não iria fazer coligação para a disputa majoritária, nem para Governo nem para o Senado, indo de encontro ao que foi anunciado pelo cacique tucano.

Bate-boca dominou a convenção do PSDB e do Cidadania
Legenda: Bate-boca dominou a convenção do PSDB e do Cidadania
Foto: Kid Jr

A decisão gerou bate-boca e gritaria na Assembleia Legislativa do Ceará, onde ocorria a convenção. Poucas horas após a convenção, o presidente nacional da federação, Bruno Araújo, emitiu uma resolução determinando que a coligação com o PDT seja confirmada no Ceará.

Paralelamente, lideranças do Cidadania e do PSDB, insatisfeitas com a conduta de Chiquinho, iniciaram movimentos para destituí-lo da função no Ceará. Nesta sexta-feira (5), o senador Tasso Jereissati, inclusive, realizou nova convenção da sigla para confirmar apoio a Roberto Cláudio. No evento, também foi lançado o empresário Amarílio Macêdo como candidato ao Senado na chapa de Roberto Cláudio.

À tarde, Chiquinho disse que não foi informado oficialmente sobre seu futuro no comando do partido ou da federação. 

“Me dou muito bem com o presidente (nacional da federação e do PSDB) Bruno Araújo. Não estou fazendo nada... Se eu estivesse, por exemplo, fazendo uma coligação com o PT, tendo em vista que há uma resolução que proíbe isso, mas não fiz. Não sei o que que justifica”, ressaltou Chiquinho.

“Ainda não fui comunicado da destituição da comissão provisória da federação, enquanto não for comunicado, vou registrar a ata dentro do que prevê os estatutos da federação e continuar no meu propósito em relação ao PSDB”, acrescentou.

De acordo com o presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB-CE, Fernandes Neto, a legislação eleitoral exige que a ata seja enviada ao TSE até 24 horas após a convenção – e que os candidatos sejam definidos até o dia 5 de agosto.

"Se o PSDB fizer uma nova convenção e enviar até sábado, o que fica valendo é essa. Para que não sirva vão ter que entrar com uma ação, com recurso, vai ao TRE-CE... Esse mesmo assunto pode ser discutido na hora do registro da coligação"
Fernandes Neto
Advogado eleitoral

Bate-cabeça

Ele disse ainda que sempre manteve diálogo com o senador Tasso e com o ex-presidente do PSDB, Luiz Pontes. O político lembrou quando foi convidado a ser suplente de Camilo Santana (PT) na chapa para o Senado Federal.

“Quando conversei com o Camilo para aceitar o convite, o senador Tasso me sinalizou positivamente, foi assim que aconteceu. Não fui desautorizado quando tratei com o Camilo, eu tratei autorizado. Mesmo declinando o convite, assumimos o compromisso de apoiar o Camilo como candidato a senador, mesmo que fosse sem coligar oficialmente”, contou o tucano.

Segundo Chiquinho, a ideia foi rejeitada depois por Tasso para evitar uma aliança entre PT e PSDB, partidos historicamente adversários. 

“Tivemos uma reunião na sexta-feira passada, Tasso, Luiz Pontes e eu, fiquei na expectativa de uma nova reunião na segunda-feira, mas acabei surpreendido com o anúncio do senador de que o PSDB iria apoiar Roberto Cláudio. Eu fui tomado de surpresa”
Chiquinho Feitosa
Presidente do PSDB Ceará

Ainda de acordo com ele, parlamentares da sigla pressionaram pela neutralidade. “Foi aí que, com tudo previsto em edital, realizamos a convenção às 16 horas, na Assembleia Legislativa do Ceará, no auditório Murilo Aguiar”, concluiu.

Na tarde desta sexta-feira, no final da coletiva de Chiquinho, foi oficializada a nova comissão provisória do PSDB no Ceará, sob comando de Tasso.

Assuntos Relacionados