Luciano Hang defende a Prevent Senior após denúncia de fraude em certidão da mãe: 'total confiança'

Documentos apontam que a idosa foi submetida a tratamento comprovadamente ineficaz

Luciano falando ao microfone
Legenda: O empresário enviou nota à imprensa nesta quarta-feira
Foto: Divulgação

Após dossiê entregue à CPI da Covid-19 mostrar que a certidão de óbito da mãe do empresário Luciano Hang foi fraudada para omitir que a causa foi Covid-19, o dono das lojas Havan disse ter “total confiança nos procedimentos adotados pela Prevent Senior”. A declaração foi dada em nota à imprensa, nesta quarta-feira (22). 

Mãe de Luciano Hang

Regina Modesti Hang, de 82 anos, morreu em fevereiro último após, segundo o dossiê, passar por tratamento comprovadamente ineficaz contra a doença, em um hospital da empresa. “Tenho total confiança nos procedimentos adotados pelo Prevent Senior e que tudo que era possível foi feito”, afirmou.

“Deixei claro a causa do falecimento de minha mãe em várias manifestações públicas e nas redes sociais, nunca foi segredo”, acrescentou. 

O dossiê aponta que a mãe do empresário foi internada em 31 de dezembro e morreu em 3 de fevereiro. No prontuário, segundo os médicos, havia informação sobre o início de sintomas, em 23 de dezembro, e adoção de "tratamento precoce", com hidroxicloroquina, azitromicina e colchicina antes da entrada na Prevent Senior.

Na internação, mostram os documentos, ela teria recebido ivermectina e tratamentos experimentais. Em nota divulgada hoje, ele afirmou que, "como qualquer filho, quando a mãe ficou doente, foi para a guerra com todas as armas que eu tinha". Descartou, porém, que tenha sido adotado o tratamento. 

"É esse o meu crime? Minha mãe tinha 82 anos, fazia parte do grupo de risco, ficava em casa e mesmo assim pegou a doença. Ela era cardíaca, tinha diabetes, insuficiência renal, sobrepeso e outras comorbidades. Tomava dezenas de medicamentos diariamente, por isso não fizemos tratamento preventivo, aquele realizado antes de contrair o vírus", afirmou.  

Leia a nota na íntegra:

"Qual é o limite para a maldade humana, para a falta de caráter, de escrúpulos? Quando não têm argumentos, partem para o ataque da honra, da família e da própria mãe. Não vou aceitar tanta canalhice quieto.

Fiz tudo o que podia pelos meus pais a vida inteira. O que construí foi para dar a eles uma vida melhor e mais justa. Dois trabalhadores de chão de fábrica, pessoas honestas e maravilhosas, que eu tanto amei. Fomos muito felizes juntos e agradeço imensamente a Deus por ter compartilhado meus dias com eles.

Como qualquer filho, quando minha mãe ficou doente, eu fui para a guerra com todas as armas que eu tinha. É esse o meu crime? Minha mãe tinha 82 anos, fazia parte do grupo de risco, ficava em casa e mesmo assim pegou a doença. Ela era cardíaca, tinha diabetes, insuficiência renal, sobrepeso e outras comorbidades.

Tomava dezenas de medicamentos diariamente, por isso não fizemos tratamento preventivo, aquele realizado antes de contrair o vírus. Quando os sintomas apareceram levamos para São Paulo e a doença evoluiu rápido. Lutamos com ela por mais de um mês, nesse tempo o Covid passou, mas ficaram as complicações por conta das comorbidades e, por isso, infelizmente ela se foi.

Tenho total confiança nos procedimentos adotados pelo Prevent Senior e que tudo que era possível foi feito. Deixei claro a causa do falecimento de minha mãe em várias manifestações públicas e nas redes sociais, nunca foi segredo.
Lamento que um assunto tão delicado seja usado como artifício político para me atingir, pelo simples fato de eu não concordar com as ideias de alguns membros que fazem parte dessa CPI. Medem os outros pela própria régua. Só quem perde uma mãe sabe a dor que é.

Luciano Hang"


Assuntos Relacionados