Após derrota do voto impresso, Bolsonaro diz que eleições não serão confiáveis

Presidente afirmou que metade dos deputados que votaram pela PEC não confia no trabalho do TSE

Jair Bolsonaro falando ao microfone
Legenda: Bolsonaro conversou com apoiadores na manhã desta quarta-feira (11)
Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro seguiu questionando a segurança das eleições brasileiras um dia após a PEC do Voto Impresso ser derrubada na Câmara dos Deputados. A proposta não teve votos suficientes para ser aprovada em Plenário.

Na manhã desta quarta-feira (11), Bolsonaro destacou, em conversa com apoiadores, que metade dos deputados que votaram pela PEC não confia no trabalho do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e que o resultado do pleito do ano que vem não será confiável.

"Números redondos: 450 deputados votaram ontem. Foi dividido, 229 [a favor], 218 [contra], dividido. É sinal que metade não acredita 100% na lisura dos trabalhos do TSE. Não acreditam que o resultado ali no final seja confiável", disse Bolsonaro.

"Hoje em dia sinalizamos uma eleição... não é que está dividida. Uma eleição onde não vai se confiar no resultado das apurações", declarou.

Votação da PEC na Câmara

Na terça (10), dia em que Bolsonaro foi protagonista de um desfile de veículos militares em frente ao Palácio do Planalto, a PEC do voto impresso foi derrotada pelo plenário da Câmara dos Deputados. Foram 229 a favor do texto, 218 contra e uma abstenção.

Eram necessários ao menos 308 votos dos 513 deputados -60%- para que a proposta de impressão do voto dado pelo eleitor na urna eletrônica fosse adiante. Ou seja, faltaram 79 votos para que a PEC fosse aprovada. Diante do resultado, ela foi arquivada.

COMO VOTARAM OS CEARENSES

A FAVOR

  • Capitão Wagner (Pros-CE)
  • Dr. Jaziel (PL-CE)
  • Heitor Freire (PSL-CE)
  • Moses Rodrigues (MDB-CE)

CONTRA

  • André Figueredo (PDT-CE)
  • Célio Studart (PV-CE)
  • Domingos Neto (PSD-CE)
  • Eduardo Bismarck (PDT-CE)
  • Genecias Noronha (Solidariedade-CE)
  • Idilvan Alencar (PDT-CE)
  • José Airton (PT-CE)
  • José Guimarães (PT-CE)
  • Júlio Mano (PL-CE)
  • Leônidas Cristino (PDT-CE)
  • Luizianne Lins (PT-CE)
  • Odorico Monteiro (PSB-CE)
  • Pedro A Bezerra (PTB-CE)
  • Totonho Lopes (PDT-CE)

FALTARAM À SESSÃO PLENÁRIA

  • AJ Albuquerque (PP-CE)
  • Aníbal Gomes (DEM-CE)
  • Danilo Forte (PSDB-CE)
  • Vaidon Oliveira (Pros-CE)