Pazuello ofereceu 'conhecimento' sobre tratamento precoce contra a Covid-19 à OMS, diz jornal

Os documentos foram enviados em caráter sigiloso à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid

Pazuello fala ao microfone
Legenda: A oferta à OMS ocorreu durante as conversas para adesão ao consórcio de vacinas da Covax Facility
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, propôs repassar “conhecimento” sobre o chamado “tratamento precoce” com medicamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid-19 ao diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom.

A conversa foi registrada em telegrama do Itamaraty, obtido pelo jornal O Globo. Os documentos foram enviados em caráter sigiloso à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, no Senado.

A oferta à OMS ocorreu durante as conversas para adesão ao consórcio de vacinas da Covax Facility, em setembro último. As informações foram divulgadas pelo jornal nesta quinta-feira (10).

"(Pazuello) ofereceu à OMS o compartilhamento de protocolo desenvolvido no Brasil para tratamento precoce da doença, fruto de conhecimento acumulado nas diferentes regiões do país. Ponderou que a conversação com a OMS será mais eficaz se os dois lados mantiverem perfil discreto", diz o telegrama. 

Segundo o documento, Tedros "sublinhou que o interesse da OMS seria apoiar o Brasil em salvar vidas" e "manifestou interesse no protocolo de tratamento mencionado por Pazuello".

A OMS enfatizou pouco tempo depois que os medicamentos citados pelo Brasil (cloroquina, remdesivir e interferon) não são indicados para o tratamento da doença. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política