Governadores do Nordeste mantêm medidas de combate ao coronavírus e criticam postura de Bolsonaro

Os nove chefes de Estado da região lançaram carta em que afirmam ainda a necessidade de uma ação coordenada nacionalmente na crise ocasionada pela disseminação do Covid-19

Legenda: Governadores do Nordeste se reuniram por videoconferência pela segunda vez nesta semana
Foto: Foto: Governo do Estado

Os nove governadores do Nordeste estiveram reunidos, por meio de teleconferência, na tarde desta quarta-feira (25), e lançaram cartas mantendo as medidas de combate ao novo coronavírus e criticando a postura de Jair Bolsonaro (Sem Partido) em meio a crise sanitária. O encontro ocorre logo após pronunciamento do presidente em que ele criticou medidas de isolamento e quarentena tomadas por governos estaduais no combate ao coronavírus.

> Número de testes para Covid-19 deverá dobrar no CE

> Governo de Pernambuco confirma primeira morte por coronavírus

> Em reunião tensa, Doria cobra equilíbrio, e Bolsonaro pede que tucano 'saia do palanque'

Na carta, os governadores afirma que irão continuar tomando "medidas baseadas no que afirma a ciência seguindo orientação de profissionais de saúde" e que estas serão revistas gradualmente de acordo com os registros informados pelos órgãos oficiais de saúde de cada região. 

Eles ressaltam ainda que é "um momento de união" e de "esquecer as diferenças políticas e partidárias". "Ficamos frustrados com o posicionamento agressivo da Presidência da República, que deveria exercer o seu papel de liderança e coalizão em nome do Brasil", afirmam em trecho do documento. 

Os governadores também apontam que "cabe ao Governo Federal ação urgente voltada aos trabalhadores informais e autônomos". Segundo eles, é necessária uma coordenação e cooperação nacional, de maneira urgente, "para proteger empregos e a sobrevivência dos mais pobres". 

"Agressões e brigas não salvarão o País. O Brasil precisa de responsabilidade e serenidade para encontrar soluções equilibradas", afirmaram. 

Assinam a carta Camilo Santana, do Ceará; Rui Costa, da Bahia; Renan Filho, de Alagoas; Flávio Dino, do Maranhão; João Azevedo, da Paraíba; Paulo Câmara, de Pernambuco; Wellington Dias, do Piauí; Fátima Bezerra, do Rio Grande do Norte; e Belivaldo Chagas, de Sergipe.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política