Vacinação de professores contra Covid deve ocorrer após definição sobre retorno presencial, diz MPCE

Documento com recomendações para imunização foi protocolado neste sábado (22)

Escrito por Redação,

Metro
Vacinação em centro no Ceará
Legenda: Segundo MPCE, apenas profissionais que já irão retornar ao ensino presencial devem ser imunizados inicialmente
Foto: Camila Lima

Uma recomendação para disciplinar a vacinação de professores das redes pública e privada de ensino no Ceará foi protocolada neste sábado (22). O documento é de autoria do Ministério Público do Estado do Ceará, do Ministério Público Federal, do Ministério Público do Trabalho e da Defensoria Pública do Estado do Ceará.

O documento propõe que a vacinação de professores só seja realizada após estabelecimento de data para retorno presencial às aulas, além de ser feita apenas em profissionais que forem retomar o processo de aprendizagem nos locais.

Em documento, o MPCE ainda aponta que o processo de vacinação contra a Covid-19 deve seguir priorizando as pessoas com comorbidades e com deficiência. Segundo o órgão, apenas depois da imunização destes que se deve seguir para outras fases.

Na sexta (21), Camilo Santana, governador do Ceará, comunicou que a imunização de professores em solo cearense seria iniciada na próxima semana.

Argumentos para aplicação

Ainda em nota, o MPCE aponta que os argumentos foram definidos com base no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO Covid), além do plano estadual e da resolução 49 da Comissão Intergestora Bipartite.

Dessa forma, o Ministério aponta que é recomendado que cada instituição de ensino apresente uma lista com data de retorno das aulas e com o nome dos profissionais que serão requisitados.

Além disso, a recomendação é de que sejam vacinados com prioridade os professores da educação básica, que atuam no ensino infantil, fundamental e médio. Nesse sentido, inicialmente, os professores dos municípios nos quais houve autorização de retorno presencial devem ser o foco.

Por fim, o Ministério Público do Ceará estipula que as pessoas com maior idade, entre 47 e 59 anos, sejam os primeiros agendados. 

Envio da recomendação

Conforme nota deste sábado (22), o MPCE estipulou prazo de cinco dias para que as providências que devem resultar no cumprimento da recomendação sejam tomadas.

O documento já foi encaminhado ao Estado do Ceará, à Secretaria de Saúde do Estado do Ceará, ao Município de Fortaleza e à Secretaria de Saúde do Município de Fortaleza.

Assuntos Relacionados