Usar duas máscaras protege mais contra variantes do coronavírus? Especialistas respondem

O vírus passa por um fenômeno de “seleção natural”, o que faz com que as mutações com maior capacidade de transmissão se estabeleçam

Escrito por Redação,

Metro
foto máscaras
Legenda: Ainda não existem estudos que comprovem que o uso de duas máscaras invalida completamente a contaminação pelas variantes do coronavírus
Foto: Helene Santos

Desde que a pandemia do novo coronavírus se intensificou, medidas sanitárias como o uso de máscaras, álcool em gel e isolamento social foram implantadas para diminuir a disseminação da doença. Porém, com a comprovação da existência de variantes do vírus, encontradas em São Paulo, Reino Unido e África do Sul, surge o questionamento acerca da eficiência das precauções em vigor.  

O Diário do Nordeste entrevistou Robério Leite, infectologista e professor adjunto de pediatria do curso de medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), e o médico Rodrigo Astolfi, para saber se novas medidas podem ser necessárias, como o uso de duas máscaras.  

As variantes da Covid-19 são mais contagiosas?  

As frequentes mutações dos vírus RNA, como é o caso do SARS-CoV-2, passam por um fenômeno de “seleção natural”, explica Robério Leite. “Por seleção natural, as mutações que conferem maior capacidade de transmissão acabam se estabelecendo, pois isso é vantajoso em termos de sobrevivência do vírus”. A proteína do vírus, portanto, consegue se conectar mais facilmente com a membrana das células no corpo humano.

O ideal agora, segundo o infectologista, é continuar com todas as medidas sanitárias de proteção e priorizar a vacinação, que deve ser feita de forma rápida para que potenciais variantes não comprometam sua eficácia. “São as nossas únicas alternativas. E tem que ser de maneira intensa e rápida. Quanto mais tempo se prolongar a pandemia, mais chances haverá de ocorrerem mutações virais, que poderão comprometer inclusive a eficácia das vacinas, dependendo da intensidade das mutações”, alerta. 

 

É recomendado o uso de duas máscaras? 

Segundo Robério Leite, ainda não existem estudos que comprovem que o uso de duas máscaras invalida completamente a contaminação pelas variantes do coronavírus, mas entende-se que é uma estratégia lógica. “A adição de uma cobertura de proteção, teoricamente confere maior proteção. Creio que o mais importante é que todos usem máscaras e o façam de maneira adequada”, informa. 

Em relação às máscaras caseiras, elas devem ter duas ou três camadas de tecido na composição. Não há uma recomendação oficial, mas quem quer se sentir mais protegido pode usar uma máscara caseira colocada sobre outra com essas características. 

Para o médico Rodrigo Astolfi, não basta apenas usar a máscara, é necessário usar do jeito correto e evitar qualquer contato das mãos no rosto. “Quando a gente bota nos estudos, em locais que se usou bastante máscara, não houve redução de contaminação. As pessoas não foram treinadas a usar uma máscara, elas tiram, pegam na máscara, e as mãos são o principal vetor. O jeito mais fácil de se contaminar é dando a mão a alguém e colocando a mão nos olhos, boca, nariz e tal”, esclarece. 

É importante frisar que as máscaras não podem atrapalhar a respiração. “Pessoas muito ansiosas podem se sentir sufocadas, agravando esse distúrbio, o que é um problema. O distanciamento e o uso de protetores faciais (face shields) podem minimizar a exposição nessas situações”, aconselha Robério. 

Existem contra indicações? 

O recomendado é que crianças menores de dois anos e crianças com problemas comportamentais não devem usar máscaras, mas claro, dependendo de cada situação particular. Em casos de doenças respiratórias crônicas como DPOC, o uso pode ser limitado, porém, precisa ser avaliado individualmente, visto que depende da gravidade. 

Nas demais situações, Rodrigo considera o uso de máscaras uma medida prudente. “Vale a pena que todo mundo use a máscara. E a gente tem proteção que a pessoa infectada não passe pra frente”, afirma. “A gente acaba inalando um pouco mais o nosso ar inalado. Na teoria o nosso corpo é capaz de balancear isso aí, é muito difícil que você mude a sua saturação de oxigênio por causa da máscara. Ela pode ter a capacidade de alterar a flora bacteriana do nariz e da boca, que pode favorecer uma infecção, mas nada que justifique não usar”, acrescenta. 

Futuramente, poderá ser protocolo governamental? 

O uso de duas máscaras só será considerado obrigatório se a sua eficácia for comprovada cientificamente, destaca Robério Leite. “Caso a ciência demonstre que a utilização de duas máscaras realmente confira maior proteção, isso poderá se transformar numa recomendação oficial das entidades médicas e dos governos”.