UFC propõe retomada de aulas remotas a partir de julho com possibilidade de ensino híbrido

A modalidade permite que turmas operem com parte dos alunos presencialmente e o restante à distância.

Fotografia do corredor vazio da Universidade Federal do Ceará durante isolamento social.
Legenda: Para diminuir contágio do novo coronavírus (Sars-Cov-2), UFC suspendeu aulas presenciais em março.
Foto: Natinho Rodrigues

Com atividades presenciais suspensas desde março, a Universidade Federal do Ceará (UFC), pode retomar os trabalhos pedagógicos remotamente a partir do dia 20 de julho. As informações foram detalhadas na Proposta Pedagógica de Emergência (PPE), publicada nesta sexta-feira (05) pela Pró-reitoria de Graduação (Prograd). 

Entre as propostas, o projeto detalha uma alternativa híbrida de ensino, com parte da turma presencial e a outra em ensino a distância. Além do formato misto, será possível optar também por duas modalidades de ensino: as aulas remotas, com turmas integralmente virtuais e as aulas presenciais para práticas e estágios, seguindo medidas de saúde recomendadas pela Instituição. As regras sanitárias de funcionamento, entretanto, ainda não foram divulgadas. 

Ainda segundo o plano, o calendário de aulas está mais flexível. É permitido que o professor escolha uma carga horária de, no mínimo 85 e no máximo 100 dias letivos para o encerramento do semestre. As atividades da instituição, costumeiramente, somam 100 dias de aula por semestre. 

Cenários de retorno

A duração total do semestre dependerá de como aconteceu o funcionamento letivo no isolamento social. Segundo a proposta, algumas unidades acadêmicas permaneceram em atividade durante a quarentena.Por isso, para encaminhar o período, as unidade acadêmica deverá optar por uma das três alternativas a seguir: 

Turmas com aulas remotas durante quarentena

As disciplinas que mantiveram aulas remotas durante o isolamento poderão optar pelo encerramento de aulas ainda em junho, desde que o professor comprove a conclusão de carga horária de no mínimo 85 dias de aula. Avaliações e conteúdo didático devem se adequar às aulas remotas. Nesse caso é preciso que o docente flexibilize as atividades de fim de semestre e possibilite a reposição de aulas para os alunos que não conseguiram acompanhar remotamente.

Turmas que interromperam as atividades remotas

Nos casos em que as aulas virtuais foram iniciadas mas interrompidas, a proposta é que o professor contabilize os dias letivos antes da paralisação das atividades. A carga horária restante deverá ser integralizada no retorno das aulas remotas, previsto para o dia 20 de julho. Com isso a data de encerramento dependerá do momento de interrupção. 

As disciplinas com componentes teórico-práticos também se encaixam nesse cenário. Se as aulas virtuais já tiverem contemplado a parte teórica, a carga horária prática da cadeira precisará de autorização para retomada presencial.

Nos casos em que a presença for permitida, os alunos deverão frequentar os ambientes universitários em regime de rodízio, obedecendo as medidas de saúde da UFC, ainda para serem divulgadas. O encerramento da cadeira só acontecerá quando o conteúdo prático puder ser cumprido. 

Turmas que não optaram por atividades remotas

Já para as unidades que não aplicaram aulas remotas, o retorno poderá acontecer virtualmente a partir do dia 20 de julho. As cadeiras práticas inclusas nesse cenário, que necessitam do uso de laboratórios e outras atividades presenciais, é  recomendado a adaptação para o formato virtual. Cada departamento terá liberdade para adequar às práticas para o cenário online.

Em julho, os alunos poderão ajustar as turmas durante um período de matrícula irrestrita. O documento não informa a partir de que data deve começar o reajuste, apenas que a possibilidade estará disponível na primeira quinzena de julho. 

Mortes por Covid-19 em Fortaleza

Universidade oferecerá internet móvel

Na tentativa de aumentar a adesão às aulas remotas, está na contratação de 6 mil pacotes de dados com franquia de 20 GB, ainda em licitação. Os materiais serão distribuídos para estudantes em situação de vulnerabilidade social, com funcionamento previsto por seis meses. Além disso, salas de estudo e laboratórios nos campi da Capital e no Interior poderão serão utilizados pelos alunos quando as atividades presenciais forem autorizadas.

A UFC disponibiliza, ainda, desde a última quinta-feira (05), formações virtuais sobre o uso de ferramentas remotas. As aulas ficam por conta da Escola Integrada de Desenvolvimento e Inovação Acadêmica (EIDEIA), em parceria com a Prograd e tem como público alunos, servidores docentes e técnico-administrativos. A atividade segue durante todo o mês de junho, sendo uma maneira de aproximar gradativamente a comunidade acadêmica das atividades virtuais