"Prédio já vinha nos avisando que ia cair", diz porteiro sobrevivente

Ele sobreviveu após conseguir correr até o portão que dava acesso à rua Tibúrcio Cavalcante e não ficou soterrado nos escombros. 

Legenda: Francisco Rodrigues tem 59 anos e escapou da tragédia com vida
Foto: Foto: arquivo pessoal

Único funcionário do Edifício Andrea, que desabou nessa última terça-feira (15), no Dionísio Torres, o zelador e porteiro Francisco Rodrigues Alves, trabalhou 20 de seus 59 anos no local. Ele sobreviveu após conseguir correr até o portão que dava acesso à rua Tibúrcio Cavalcante e não ficou soterrado nos escombros. 

O homem, que está no corredor do Hospital Distrital Edmilson Barros de Oliveira (Frotinha Messejana), no aguardo de transferência para fazer cirurgia no Instituto Doutor José Frota (IJF), diz que o prédio sempre deu sinais de que poderia cair.  Um vídeo do momento da queda mostra justamente o porteiro correndo para fugir da tragédia. Ele disse que as outras pessoas que aparecem nas imagens são a síndica e mais três trabalhadores da reforma que tinha iniciado um dia antes do desabamento. 

Legenda: O porteiro está internado no Frotinha da Messejana até conseguir transferência para o IJF, onde se submeterá a cirurgias
Foto: Foto: arquivo pessoal

"O prédio já vinha nos avisando que ia cair. Eu tinha medo e muitas pessoas também"

"As colunas não resistiram o peso, né? Já tem muito tempo que era assim. Era como se fosse uma tragédia anunciada", comenta por telefone para o Sistema Verdes Mares. 

Responsabilidade 

Conforme Rodrigues, a reforma iniciada na segunda-feira (14), um dia antes da tragédia, veio sem avisar aos moradores e trabalhadores sobre a segurança deles ao permanecer no edifício. "A responsabilidade é da síndica e dos responsáveis pela obra, né?", indica. 

A síndica do prédio, Maria das Graças Rodrigues de 53 anos, está sendo considerada uma "testemunha-chave" no inquérito policial instaurado ainda nessa última terça-feira (15) pela Polícia Civil. Ela segue desaparecida.

Rodrigues afirma ter visto ela antes incidente "Ela estava conosco lá embaixo, agora a hora do desabamento eu não sei para onde ela foi, eu sei que eu corri até o portão da rua Tibúrcio Cavalcante e consegui sair", relata.

Justiça

Francisco, que quebrou o braço, machucou o pé e a cabeça, pede justiça. "Eu vou na Justiça, sou pai de família, moro de aluguel", afirma o trabalhador, que mora no Bairro Mondubim com a esposa. 

Você tem interesse em receber mais conteúdo da cidade de Fortaleza?