Plantão Gramatical supera marca de 700 mil atendimentos em 2020

Serviço surgiu há 40 anos e auxilia, por telefone, sobre o uso correto da Língua Portuguesa

Atendimento acontece desde 1980 através do Instituto Municipal de Desenvolvimento de Recursos Humanos (Imparh)
Legenda: Atendimento acontece desde 1980 através do Instituto Municipal de Desenvolvimento de Recursos Humanos (Imparh)
Foto: Divulgação/ Imparh

No ano em que completa 40 anos de existência, o Plantão Gramatical atinge outra marca importante. A consultoria superou, agora em 2020, a marca de 700 mil atendimentos realizados — somando ligações e consultas presenciais. Nas estimativas da equipe, pelo menos mil pedidos de ajuda por mês. Do outro lado da linha, estudantes, professores e jornalistas, distribuídos por todo o país.

Pioneiro no Brasil, o serviço foi criado em setembro de 1980 pelo órgão hoje chamado Instituto Municipal de Desenvolvimento de Recursos Humanos (Imparh) e opera com cinco professores. “Todos com especialização e quase todos com mestrado em linguística aplicada”, garante Márcia Rodrigues, já com oito anos de experiência como plantonista. Apesar de atender há quase uma década, o tempo de linha da atendente é um dos menores entre os profissionais. “Sou nova. A maioria já está com mais de 15, 20 anos de atendimento”, brinca. 

As dúvidas dos solicitantes, geralmente relacionadas à ortografia, morfologia, sintaxe e semântica, são resolvidas em, no máximo, três minutos. Como a marca de atendimentos só registra as ligações e os atendimentos presenciais, o número de respostas oferecidas pode ser ainda maior. “Em uma ligação, surgem três, quatro, cinco dúvidas. Se fossemos contar todas as dúvidas, seria bem maior que isso”, calcula Márcia.

O curioso, relembra, é que os questionamentos seguem a rotina da cidade. “Agora, durante as eleições, por exemplo, recebemos muitas ligações sobre campanhas políticas. No Natal, já tem frase das pessoas colocando toda a semântica relacionada ao Natal”, reflete a atendente.

O serviço permaneceu em operação durante a quarentena, mas com número reduzido. Por conta das medidas de isolamento, apenas um profissional está disponível por dia para atender os questionadores. Anteriormente, os professores eram divididos em turnos com dois ou três plantonistas. A quantidade de atendimentos não foi afetada pelo isolamento. “O que diminuiu foram pessoas ligando para tirar dúvidas sobre questões de concurso público”, conta. 

Costume

Com tanto tempo de existência, por vezes, relação atendente/atendido constrói vínculo. De tanto ligarem para a Central, alguns consulentes (como os atendentes chamam aqueles que ligam para tirar as dúvidas), são identificados pela voz. “Tem uma pessoa que sempre liga para tirar dúvidas sobre os poemas que escreve. Ele sempre liga para discussões sobre a escrita, sobre sintaxe e a semântica dele”, recorda Márcia. 

Por isso, evitar que a ligação ultrapasse o limite proposto é tarefa difícil. “Começa uma discussão boa. Sobre a frase, sobre o tema. ‘Olha, esse sentido está dúbio’. Ou então ‘Olha, não seria melhor colocar assim’?”, enumera Márcia, que vê como diferencial da plataforma o contato humano. 

“A gente não tem e-mail nem rede social. Às vezes, pode ser que a pessoa do outro lado não entenda o que queremos dizer. A probabilidade de passar isso errado é muito grande. Por telefone, conseguimos administrar isso. Se torna rápido até para o entendimento desse outro. Essa é a maior vantagem do plantão. De uma certa forma, nós temos essa proximidade”, recorda.

A pedagoga Francisca Paiva Ximenes, de 60 anos, começou a usar o serviço do plantão gramatical em 2007 e não parou desde então. “Sou usuária assídua desse plantão. Eu escrevi um livro com a correção do plantão gramatical. Aos poucos, cada parágrafo, eu perguntava no plantão. Isso em 2007”, comenta.

A profissional menciona que usa o plantão três vezes por semana, pelo menos. “Agora, eu estou fazendo um livro de poesias e confio no suporte deles. Hoje mesmo eu falei com um atendente. No geral, eles são super atenciosos com as nossas dúvidas, eficientes mesmo”, diz.

Saiba como usar o plantão

O serviço atende também pessoas de outros municípios e estados brasileiros, além de registrar atendimentos a outros países. Os cinco professores estão disponíveis de segunda à sexta, entre às 8h e 17h. Apesar de estar disponível em plataformas digitais,  o Plantão Gramatical atende de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 17h, no Imparh. O número de telefone, meio mais usado, continua o mesmo desde a sua fundação: 3225-1979.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza


Redação 25 de Janeiro de 2021