Localização por sinal de celulares aponta que 52,9% da população cearense cumpre isolamento social

Estado está o 4º lugar do País com mais pessoas obedecendo às restrições de circulação

Legenda: Movimento intenso na CE-040 na tarde desta quinta-feira (9)
Foto: Foto: Thiago Gadelha/SVM

Quem cumpre a orientação de ficar em casa para evitar o contágio pelo novo coronavírus faz parte da estimativa de 52,9% da população em isolamento social no Ceará. O levantamento foi feito por uma empresa de tecnologia com dados da última terça-feira (7). A adesão máxima da orientação de evitar aglomerações, de 71% da população, foi no dia 22 de março, segundo dia do decreto que restringe as atividades comerciais e educativa para conter a pandemia.

Com os dados, é possível observar que o Estado é o 4º lugar do País com mais pessoas obedecendo às restrições de circulação, atrás do Distrito Federal (56,47%), Goiás (56,28%) e Pernambuco (53%). Em Fortaleza, o registro mais recente é de 51,2% da população em isolamento social.

Para realizar o levantamento, são usados aplicativos de celulares e o sistema de georreferenciamento, que localiza aparelhos e monitorar os pontos com maior número de pessoas. De acordo com a In Loco, responsável pelo levantamento, a precisão é 30 vezes maior que o GPS (Global Positioning System).

São identificadas apenas informações da localização de mais de 60 milhões de dispositivos que fazem parte da base de dados utilizada para fazer os cálculos do isolamento social no país. “Nosso levantamento permite que os órgãos responsáveis atuem diretamente nas áreas de risco ou mais afetadas pelo vírus”, pontua André Ferraz, diretor executivo da empresa.

Dessa forma, os gestores públicos podem estabelecer ações de fiscalização e de conscientização de forma mais precisa. Essa tecnologia já está em uso em outros estados como Pernambuco e em São Paulo e deve chegar ao Ceará, segundo a empresa. Pelo menos 15 estados aderiram à plataforma.

Localização

Dados pessoais dos proprietários, como RG, CPF e endereço de e-mail, não são possíveis de identificação na plataforma. “A única informação coletada é a localidade do aparelho, por meio de sensores presentes nos smartphones, como Wi-Fi, Bluetooth, GPS, entre outros”, ressalta  André Ferraz. Depois que os dados são coletados, os relatórios seguem para órgãos públicos e autoridades governamentais com o cenário por região e levantamentos estatísticos da circulação de pessoas entre bairros.

Fiscalização nas ruas

As ruas da Capital estão sendo fiscalizadas por ações integradas entre Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), Guarda Municipal, Defesa Civil, Polícia, e Autarquia Municipal de Trânsito (AMC). “Nos distribuímos nos diversos bairros, principalmente onde nós já estamos estamos recebendo as principais denúncias, como a Grande Barra (do Ceará), Pirambu, Jangurussu, Messejana, Parangaba, nós já estamos tendo esse cuidado e também aglomerações de feiras”, detalha Júlio Santos, superintendente da Agefis.

As equipes estão atuando com maior intensidade em filas de bancos e lotéricas para manter o distanciamento indicado de um metro e meio, como explica Júlio. Também são fiscalizados os pontos comerciais com permissão para funcionar  para o controle das recomendações técnicas. “Temos o auxílio da AMC que tem as câmeras espalhadas pela cidade e que estão monitorando qualquer tipo de aglomeração. Quando acontece isso, nós acionamos as equipes que estão nos três turnos trabalharam para irem até o local”, conclui.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados