Família de idoso com suspeita de covid-19 em UPA de Caucaia cobra leito de UTI obtido na Justiça

Liminar judicial determinou, sexta-feira (1º), que José Ribeiro da Silva, de 69 anos, fosse encaminhado, com urgência, a um leito de UTI. A decisão não havia sido cumprida até domingo (3), quando a reportagem foi publicada - mas nesta segunda (4), o paciente foi transferido

Escrito por Redação, metro@svm.com.br

Metro

A busca por um leito de UTI é cada vez mais frequente por parte das famílias de pacientes hospitalizados na rede pública de saúde do Ceará. Nessa sexta-feira (1), o Poder Judiciário do Estado deferiu mais um pedido de leito. De acordo com a decisão, o Estado, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), deve fornecer “imediatamente” um leito de UTI pra o paciente José Ribeiro da Silva, 69. Até o início da tarde deste domingo (3), o idoso, com suspeita de covid-19, permanecia aguardando a transferência.

Atualização: Na tarde desta segunda-feira (4), a família informou ao Diário do Nordeste que a decisão foi cumprida, e o leito, disponibilizado. O paciente foi encaminhado ao Hospital Geral Dr. César Cals, gerido pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa).
 
Em nota, a Sesa informou, no domingo (3), que “até o momento não foi notificada do processo judicial do paciente José Ribeiro da Silva”, e ressaltou que “a Central de Regulação continua mantendo contato com a UPA de Caucaia sobre atualização o quadro clínico do paciente, está fazendo busca ativa por disponibilidade de leito em hospital de referência”.

>> Idoso com suspeita de Covid-19 morre à espera de leito de UTI na UPA do Bom Jardim
 
Kamilla Campos, filha de José, conta que o pai foi hospitalizado na UPA da Jurema, em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), na noite da última quinta-feira (30). Logo após dar entrada na unidade e ser submetido aos primeiros exames, a família soube que Ribeiro estava com parte do pulmão comprometido e precisava, urgentemente, de cuidados em uma Unidade de Terapia Intensiva.
 
“O médico da UPA pediu que a gente conseguisse um leito de UTI. Procuramos a Justiça. Sexta-feira, fomos à Defensoria Pública e lá entraram com uma ação. A liminar foi assinada pelo juiz e dado o prazo de 24 horas para ele ir a um leito de UTI. O prazo já estourou e não tivemos resposta. Estamos muito angustiados. Ele precisa ser transferido com urgência”, contou Kamilla.
 
De acordo com a família, desde o primeiro dia de internação na unidade, José Ribeiro vem sendo considerado como um caso suspeito de covid-19. Devido à idade, o paciente integra o grupo de risco da doença. Dentre os medicamentos que vem recebendo, estão o Tamiflu, hidroxicloroquina e azitromicina. Segundo Kamilla, eles também esperam pelo resultado do teste que irá comprovar ou descartar a infecção pelo novo coronavírus.
 
Ordem judicial 
 
“Quando ele estava acordado, viu pessoas morrerem do lado. Isso deixou ele bem nervoso”, destacou a filha. Conforme decisão da Justiça, a obrigação do Estado é de assegurar a imediata transferência a um leito de UTI, “e nesta impossibilidade, que seja transferido para leito de UTI de hospital particular que possua o devido suporte para atender sua necessidade clínica”, ficou dito em um trecho do documento.
 
Ainda segundo a Justiça, se descumprida a determinação, o Estado está sujeito ao pagamento de multa no valor de R$ 1 mil por dia. Conforme a Sesa, para atender os casos graves de coronavírus, a meta do Governo do Estado é abrir 100 leitos de UTI na Capital até o final da próxima semana, chegando, assim, a 583 leitos de UTI abertos para atendimento de covid-19 na rede pública do Ceará.