Clubes de leitura na escola estimulam debates e discussões entre alunos

Voltados para alunos a partir do 5º ano do Ensino Fundamental, clubes de leitura do Colégio Santa Cecília trazem variedade de obras e proporcionam debates

Legenda: Desde o início do período de pandemia, os encontros dos clubes passaram a ocorrer de forma virtual
Foto: Divulgação

O hábito da leitura proporciona diversos benefícios para os jovens, como aprendizado de novas culturas, melhora no uso da língua portuguesa, além de instigar a criatividade e o senso crítico para discussões. Nesse sentido, o desenvolvimento de clubes de livros nas escolas é uma forma de incentivar a leitura e trabalhar o aprendizado por meio de diferentes obras para cada ano.

No Colégio Santa Cecília, as atividades coletivas de leitura começam a partir do 5º ano do Ensino Fundamental, com o Clubinho de Leitura. Uma vez por mês, os participantes se reúnem on-line para a discussão de uma obra selecionada em conjunto. Para participarem, os jovens precisam ser inscritos pelos responsáveis no início de cada semestre. 

Uma das novidades do projeto é o uso da Árvore de Livros, uma plataforma digital que foi adotada pelo Colégio Santa Cecília em 2021. Nela, os alunos têm acesso a um acervo de mais de 3 mil livros, que são separados de acordo com a faixa etária adequada. Além disso, os professores também podem realizar indicações de leituras dentro da própria Árvore. 

Para os alunos do 6º ano ao 3º do Ensino Médio, as atividades do Clube de Leitura funcionam de forma semelhante, mas sem a obrigatoriedade de inscrição prévia, sendo aberta para os interessados.

As ações são idealizadas pela coordenação de área de Língua Portuguesa e bibliotecária da Instituição, com a participação dos professores.

“A recepção dos alunos tem sido muito positiva em relação à Árvore de Livros, pois ela possibilita a eles um universo de títulos de diferentes temáticas, além da facilidade de poder acessá-la pelo celular, tablet, computador etc. Os alunos também podem indicar livros para os colegas e, assim, passa a se configurar uma espécie de comunidade literária em rede”, explica Juliana Fonteles, bibliotecária do Colégio Santa Cecília. 

Autonomia dos estudantes

Um dos pilares dos projetos é garantir que os estudantes participem de forma ativa, com autonomia na escolha das leituras e na troca de conhecimento com os colegas. “Dessa forma, contribuímos para o protagonismo dos nossos alunos, construindo uma teia literária. No nosso último encontro, fizemos uma enquete com três livros escolhidos pelos alunos. O ganhador foi ‘O diário de Anne Frank’, que nos rendeu uma rica e produtiva discussão com diversos olhares”, afirma Juliana. 

Segundo a coordenadora de área de Língua Portuguesa, a professora Sâmia Araújo, um dos maiores benefícios dos encontros é proporcionar uma ocasião em que os alunos são os protagonistas. Como a mediação é feita pelos estudantes, eles dão destaque a personagens que os marcaram, o contexto de cada livro no cotidiano, entre outros pontos. 

Mesmo com os encontros acontecendo on-line, Sâmia Araújo destaca que acaba sendo mais cômodo, por ocorrerem à noite, o que facilita a presença dos alunos. “Nosso propósito é ampliarmos a participação dos alunos e dos professores das diversas áreas de conhecimento. Atualmente, nos nossos encontros, temos a participação de professores da área de Linguagens e cremos que os encontros possam ficar ainda mais ricos com a participação de professores de outras áreas de conhecimento”.

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza